O motivo pelo qual você deveria ler este post do Wirecutter sobre dar presentes para geeks não é pela lista. É pela história no começo. É como o segredo para entrar nas partes privadas de uma supermodelo, só que se trata de comprar presentes. Ou seja, basicamente a mesma coisa.

Uma noite, um amigo vindo de Roma ficou muito irritado e começou a xingar em italiano, que é a língua latina mais espetacular para profanidades. Quando eu perguntei a ele o que estava errado, ele disse que outros amigos o estavam levando para restaurantes italianos, noite após noite. E apesar de ele ser educado demais para dizer que ele queria algo diferente – e ele queria, porque o macarrão era frio e mole demais, e a bruschetta tinha muito mais coisas do que deveria – ele ficou surpreso que ninguém estava atento o bastante para dizer, “Ei, de repente este cara já comeu comida italiana demais, já que ele é da Itália?” Então eu o levei para o restaurante chinês mais sujo e mais delicioso que eu conhecia, e ele amou de tudo, dos aquários de peixe à bandeja giratória à própria comida chinesa cheia de gordura. Ele nunca tinha experimentado algo como aquilo.

O que tudo isso significa? Que não adianta tentar surpreender geeks com gadgets. Os geeks sabem o que querem, e comprar um gadget para eles “mostra tanta consideração quanto tentar impressionar um italiano com comida italiana ruim”. Deixe que eles escolham, ou então surpreenda-os com algum item desta lista. Se eu fosse escolher, ficaria com a capa para celular da Hard Graft, ou com a bolsa para laptop. Veja os outros presentes: [The Wirecutter]