Com tantos rumores sobre um tablet da Apple rondando, fica difícil acreditar que a empresa não anunciará um neste ano. Mas o que é que nós realmente sabemos sobre isso?
 
Fãs da Apple são esperançosos, e quase todo ano desde a morte do Newton surge algo que aumenta suas expectativas. Mais recentemente, porém – principalmente depois do lançamento do iPhone –, os rumores sobre um tablet tornaram-se tão intensos, variados e inconsistentes que fica difícil saber o que esperar. Eis o que já temos, e o que isso significa.
 
 
Patentes
 
Pedidos de patentes já provocaram inúmeros rumores sobre a Apple, e ultimamente há uma grande agitação em torno de uma tecnologia voltada a tablet.
 
Os primeiros sinais do atual frenesi apareceram em 2004, quando a Apple fez um requerimento para registrar na Europa o design de um dispositivo que parecia uma tela de iBook, sem o resto do corpo. Era muito maior do que o que as pessoas esperam hoje, mas de alguma maneira o design já indicava a estética das próximas gerações do iMac e até a do iPhone.
 
Em 2006, a Apple entrou com requerimento de patente para teclado on-screen, reconhecimento de gestos e roda de scroll virtual. Algumas dessas tecnologias também viriam a aparecer no iPhone. O requerimento descrevia um produto com propriedades de tablet, parecido com a versão de 2004, mas menor.
 
Características de tablet continuaram a aparecer em patentes de produtos, mas nada realmente muito significativo. Até que, em agosto de 2008, apareceu um grande requerimento cheio de ilustrações descrevendo como o OS X poderia ser adaptado para o uso com toques. Lupa como a do iPhone, teclado on-screen multitoque e vários desenhos de um dispositivo tablet sendo manuseado por dedos inexplicavelmente horrorosos. Uma patente de hardware – como a de 2004 – apareceu alguns meses depois, resumindo um dispositivo sem teclado não diferente do anteriormente projetado.
 
Em poucas palavras, embora um tablet da Apple ainda não exista, seu advogado provavelmente o aconselharia a não tentar fazer um.
 
 
Rumores (e fatos)
 
Empresas entram com pedidos de patentes por diversas razões, e quando ela é grande como a Apple, muitos deles são inutilizados ou acabam apenas criando contexto para rumores – informações vazadas por funcionários, declarações codificadas de líderes da empresa, pedidos de hardware divulgados pela imprensa de Taiwan. Os boatos sobre um tablet da Apple geralmente têm curta duração. O ponto é que agora há uma fartura deles.
 
A atual tempestade de especulações vem desde o final de 2007, quando o AppleInsider publicou um rumor de que a Apple estaria trabalhando em uma versão um pouco maior do iPhone. Era a primeira vez em tempos que alguém falava sobre um produto do tipo, e era animador: Jesus até criou uma bela versão, o que nos levou a fazer um concurso de Photoshop.
 
Em 2008, um executivo alemão da Intel deixou escapar que a Apple talvez estivesse trabalhando em uma unidade com Atom, a que ele se referiu como uma “versão do iPhone”. Essa curiosa declaração foi logo minimizada, mas foi seguida por um alerta do MacDailyNews de que um MacBook Touch com OS X seria lançado em outubro.
 
Depois veio uma reportagem do “New York Times” em outubro dizendo que um dispositivo “MacBook Nano ou iPhone Slate” havia sido descoberto nos registros de tráfego de uma grande ferramenta de busca. Como era a tendência à época, as pessoas apostaram na possibilidade de um netbook Mac, e um enigmático Steve Jobs respondeu que a Apple iria “esperar e ver” o desempenho das vendas, e que eles tinham “algumas ideias bem interessantes” para o caso de entrarem no mercado de ultraportáteis.
 
Aí as coisas começaram a pegar fogo. O TechCrunch conversou com “três diferentes fontes” próximas à Apple e todas teriam confirmado um dispositivo parecido com o iPod Touch. Isso significa que – diferente do papo do MacDailyNews de um computador tablet completo – ele rodaria um OS X com menos elementos, como o do iPhone.
 
Há apenas alguns meses, o “Commercial Times”, o Dow Jones Newswires e a Reuters publicaram que a Apple teria encomendado à Wintek painéis multitoque de 9,7”. Seriam as telas de um dispositivo a ser lançado no terceiro trimestre. Logo depois, o “Wall Street Journal” lembrou-nos que Steve Jobs ainda mexia os pauzinhos na Apple e arriscou-se a dizer que ele trabalhava em algo:
 
Pessoas inteiradas com a estratégia da empresa dizem que a Apple trabalha em novos modelos de iPhone e um dispositivo portátil que é menor do que os atuais laptops, mas maior do que o iPhone ou o iPod Touch.
 
A “BusinessWeek” também entrou na onda e corroborou esses rumores com fontes próprias, apontando a Verizon como potencial operadora para um “media pad” com 3G e indicando o verão norte-americano deste ano como uma possível data de lançamento.

 
Déjà vu?
 
Algo que chama a atenção nesses rumores é a sua semelhança com aqueles de sete ou oito anos atrás. Um texto da “eWeek” publicado em 2002 – a última vez em que tablets Mac pareciam “inevitáveis”, basicamente em razão de toda a promoção feita pela Microsoft sobre tecnologias tablet – falava em “pressentimento” de que um protótipo de tablet Mac já existia entre desenvolvedores, com “um chip Motorola PowerPC de baixo consumo” e uma tela espaçosa em um design “típico da Apple”. Ele também aposta em bateria com boa duração e software proprietário comparável ao Mac OS X.
 
O autor do texto, Matthew Rothenberg, especificou mais tarde que seria um “dispositivo que superficialmente lembra um grande iPod com tela de oito polegadas na diagonal, sem teclado, com portas USB e FireWire e que roda Mac OS X com uma variedade de atrativos multimídia”.
 
Uma grande tela que serve como dispositivo principal de entrada, um design minimalista, um sistema proprietário de entrada da Apple e duração de bateria superior à da média? Isso descreve os dispositivos de 2009 tão bem quanto os de 2002.

 
A evidência mais forte
 
No meio disso tudo, destacam-se estas informações:

• Alegações constantes de um interesse da Apple por tablets – sustentadas por ocasionais requerimentos de patentes – são consideráveis, assim como o consistente cinismo da empresa em relação a netbooks (a única alternativa real a tablets na área de computação ultramobile).
 
• O requerimento de patente no final de 2008 para uma interface de tablet multitoque é completo, prático, oportuno e contém um esboço plausível, ainda que básico.
 
• A encomenda de painéis de 9,7” da Wintek é a evidência mais forte que temos. É uma boa aposta dizer que a Apple já os tenha, ou terá em breve, e que está colocando-os em uso. Mas não é possível ter certeza.
 
• Que o dispositivo não tem teclado, tem tamanho moderado e é voltado a mídia são ideias compartilhadas por aqueles que levantaram rumores separadamente (TechCrunch, “BusinessWeek”, MacNewDaily).

  
Parece que há uma boa chance de haver um tablet a caminho. Diferentes rumores apontam para datas de lançamento similares: alguns dizem terceiro trimestre, outros apostam em junho, mas todos podem estar falando sobre a mesma data, ou ao menos o mesmo espaço de tempo.
 
O que esperar do sistema operacional é mais difícil de adivinhar a partir da especulação acima, mas o senso comum diz que o iPhone OS não funcionaria em um dispositivo maior. Seria muito problemático reconfigurar o núcleo da interface para uma tela de 10 polegadas, e todos os milhares de aplicativos de terceiros programados com a tela e o formato do iPhone em mente seriam inúteis. Excluindo as possibilidades de um esquema com aplicativo dentro de uma janela – que não combina muito com a Apple – ou de uma versão inteiramente nova do OS X – que não parece necessária – um OS X com shell modificado, como mostram as patentes de interface de 2008, parece ser o candidato mais forte. Funciona bem em netbooks de 9”, então uma tela de 10” com interface inteligente de multitoque poderia proporcionar uma sólida experiência de uso.
 
Também é comum a sensação de que esse dispositivo seria (ou será) um produto inovador, que mudaria a indústria, como o iPhone ou o iPod. Mas é difícil ver exatamente como: um tablet da Apple entraria em uma área onde muitos outros já estiveram. Seria menor do que tablet PCs mais antigos, mas isso não seria muito diferente de MIDs e UMPCs como o OQO. Seria mais fino, não teria teclado e viria com o OS X, mas isso pode não ser diferente o suficiente do hardware já existente para realmente mudar as coisas.
 
Por outro lado, a inovação pode vir da maneira que ele for introduzido no mercado. Operadoras sem fio são ávidas em aumentar receitas e manter clientes, e muitos rumores e comentários de executivos giram em torno da ideia de que tablets – não apenas da Apple – serão inerentemente dispositivos sem fio e vendidos por operadoras. Isso pode soar improvável agora, já que estamos acostumados a comprar laptops sem planos de serviço, mas pode facilmente ser a próxima revolução em hardware sem fio.
 
Há muita coisa que ainda não sabemos, e pouca coisa em que podemos confiar. No final, temos um tamanho de tela, um formato, um sistema operacional e uma provável janela de lançamento. Fora isso, não há informações confiáveis, e as suas apostas sobre o visual do dispositivo são tão boas quanto as nossas. E nos últimos anos o que não foi faltou foram sugestões sobre o seu design – confira abaixo as nossas favoritas, feitas por leitores e insiders da indústria:

thomas_palmerAdam_Bentoncristobl_negretemichael_vorgitchjonathan_suitetofslie.comBusinessWeek_Apple_Tabletjck_o'shaughnessytommaso_gecchelinGlenn_Derene_popmechjohn_kruempjesus_diazdavid_schofieldsimon_kJason_D_OGradybjrk_bechsportzisamu_sanadalogan_lapetofslie.com.2