O Observatório de Arecibo em Porto Rico está em um estado precário após a queda recente de dois cabos de suporte, colocando em dúvida o futuro da instalação responsável por grandes pesquisas, entre elas a busca por vida fora da Terra.

Como temíamos, a situação parece terrível. Sem dois dos cabos de suporte, a plataforma de 900 toneladas localizada diretamente acima da antena agora está sendo sustentada pelos cabos principais e auxiliares restantes, alguns dos quais já estão se desgastando, de acordo com a University of Central Florida (UCF).

O problema começou em 10 de agosto, quando um cabo auxiliar caiu na antena, causando grandes danos. Posteriormente, um cabo principal se rompeu em 6 de novembro, o que agravou ainda mais a situação. Uma zona de segurança foi montada ao redor da placa refletora danificada, e o único pessoal permitido na instalação é o responsável pela crise.

Engenheiros de três firmas diferentes estão avaliando os danos e tentando encontrar soluções potenciais. A UCF administra a Arecibo para a National Science Foundation (NSF), em um acordo cooperativo que envolve a Universidade Ana G. Méndez e a Yang Enterprises.

Construído no início dos anos 1960, o observatório está começando a dar sinais de decadência. A instalação é usada por cientistas de todo o mundo para uma ampla gama de tarefas — desde ciências atmosféricas, estelares e planetárias até buscas por alienígenas e asteroides potencialmente perigosos. Apesar de ser um dos observatórios mais reconhecidos do mundo — ele apareceu até mesmo nos cinemas, em GoldenEye e Contato — o local tem uma história cheia de dificuldades: terremotos, furacões e incertezas fiscais.

Os engenheiros que atualmente trabalham em Arecibo ainda estão tentando determinar a causa das falhas recentes de cabos e avaliar as condições do observatório, o que estão fazendo com drones aéreos e câmeras remotas. Como relata a UCF , a instalação foi projetada de modo que o cabo principal deveria ser capaz de lidar com a carga extra após o colapso do cabo auxiliar. Mas isso não aconteceu. Uma análise preliminar sugere que o segundo cabo falhou porque “se degradou com o tempo e carregava uma carga extra desde agosto”.

É preocupante que todos os cabos restantes agora “suportem mais peso do que antes, aumentando a probabilidade de outra ruptura, o que provavelmente resultaria no colapso de toda a estrutura”, observa a UCF. Para piorar a situação, as empresas de engenharia não podem verificar a integridade dos outros cabos neste momento.

Mike Nolan, professor e pesquisador do Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona, disse que a situação em Arecibo é bastante séria.

“O rompimento do cabo original em agosto foi aparentemente um defeito de fabricação oculto que, ao meu ver, foi desencadeado pela recente série de terremotos em Porto Rico. Agora que um segundo cabo quebrou devido ao excesso de tensão, estamos todos muito preocupados. Existem seis cabos dessa torre para a estrutura suspensa: se mais dois tiverem problemas, a estrutura suspensa cairá”, afirmou.

Nolan disse que a prioridade agora é tirar um pouco da tensão dos cabos restantes, “seja reduzindo a carga ou adicionando reforço”, ou uma combinação dos dois, “para que o problema do defeito de fabricação possa ser resolvido”.

Funcionários do observatório estão tentando agilizar o recebimento de dois novos cabos de suporte atualmente encomendados e pediram à NSF ajuda financeira para ajudar nos reparos temporários. Segundo a AP, as estimativas dos oficiais do observatório colocam o custo atual dos danos em US$ 12 milhões.

Rob Margetta, porta-voz da NSF, “garantiu que o Observatório de Arecibo tem todos os recursos necessários para reparos de emergência, engenharia e avaliação forense desde a primeira falha no cabo”. Ele confirma que a NSF “autorizou Arecibo a tomar todas as medidas razoáveis ​​e usar os fundos permitidos para garantir a análise e o equipamento necessários”, e que “está aguardando análises de engenharia e estimativas de custos”. Quando questionado se há um futuro para Arecibo, Margetta disse que as estimativas de engenharia e custos ainda estão em andamento.

Joshua Handal, porta-voz da NASA, disse por e-mail que os danos a Arecibo ainda estão sendo avaliados pela administração do observatório da UCF, e que a NSF “consultará as partes interessadas, incluindo a NASA, para determinar como proceder” daqui em diante.

Com isso, o futuro do Observatório de Arecibo agora é um grande ponto de interrogação. E isso é uma pena, dada sua importância científica.

“O Observatório de Arecibo não é o maior radiotelescópio do mundo, mas ainda é o maior e mais poderoso radar. A maioria dos radiotelescópios só pode receber sinais de rádio, mas Arecibo também pode transmitir esses sinais, como os radares ”, disse Abel Méndez, professor associado de física e astrobiologia do Laboratório de Habitabilidade Planetária da Universidade de Puerto Rico-Arecibo. “Portanto, Arecibo é o melhor instrumento do mundo para estudar as propriedades e a trajetória de qualquer asteroide potencialmente perigoso que possa estar vindo em direção à Terra”, completou.