Arqueólogos na Bolívia recuperaram uma oferenda inca subaquática totalmente intacta e contendo uma estatueta de lhama em miniatura e uma pulseira de ouro. A oferta, lançada no lago Titicaca há cerca de 500 anos, fornece informações importantes sobre os rituais e crenças espirituais incas.

Que o lago Titicaca era de vital importância para o povo inca não é segredo. A região, além de rica em recursos naturais, proporcionava uma localização estratégica entre duas cadeias de montanhas. O lago Titicaca também teve um enorme significado político, religioso e metafísico. Os incas acreditavam que era o lago do qual seu povo se originou, tendo surgido de uma rocha na Ilha do Sol, no canto sudeste do lago.

Uma nova pesquisa publicada esta semana na publicação Antiquity aumenta nossa compreensão do lago Titicaca e seu papel na vida espiritual do povo inca.

Mapa do lago Titicaca com a localização dos corais. Crédito: C. DelaereMapa do lago Titicaca com a localização dos corais. Crédito: C. Delaere

Uma expedição arqueológica liderada pela ULB (Universidade Livre de Bruxelas) descobriu uma oferta subaquática totalmente intacta em um recife submerso perto da costa nordeste do lago Titicaca. A oferenda de 500 anos, encontrada dentro de um recipiente de pedra, consistia em uma estatueta de lhama em miniatura feita de uma concha de espondilo e uma pulseira de ouro. Tomados em conjunto, esse contexto destaca a importância espiritual do lago, que os incas usavam como plataforma para suas oferendas e, possivelmente, para realizar sacrifícios humanos, de acordo com as novas pesquisas.

O povo inca formou o maior império das Américas antes da chegada dos europeus. No século 15, eles dominavam um grande território que se estendia ao longo do oeste da América do Sul.

Detalhe da lhama e da pulseira. Crédito: C. Delaere and J. Capriles, 2020/AntiquityDetalhe da lhama e da pulseira. Crédito: C. Delaere and J. Capriles, 2020/Antiquity

Os relatos espanhóis do século 16 mencionavam as oferendas subaquáticas, nas quais várias oferendas de sacrifício, como o sangue de crianças e animais, eram colocadas dentro de caixas de pedra e lançadas no lago. Evidências físicas dessa da prática desse finalmente surgiram no final da década de 1970, quando arqueólogos amadores descobriram oferendas subaquáticas em um recife perto da Ilha do Sol. Infelizmente, no entanto, esses e outros achados estavam incompletos, tendo sido danificados ou saqueados.

Desde 2012, a expedição liderada pela ULB tem explorado uma área maior ao redor do lago. Isso resultou na descoberta da oferta recém-descrita, que foi encontrada em um recife ao redor da Ilha K’ayaka.

A caixa de pedra foi encontrada endurecida em sedimentos e em um estado totalmente intacto e imperturbado, tornando-se a primeira descoberta desse tipo no lago Titicaca. O novo artigo que descreve essa descoberta teve coautores como os arqueólogos Christophe Delaere, da ULB, e José Capriles, da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos EUA.

Local onde oferenda inca foi encontrada no lago Tititcaca. Crédito: C. DelaereLocal onde a caixa de pedra inca foi encontrada no lago Tititcaca. Crédito: C. Delaere

Depois de documentar a localização e a posição da caixa de pedra, os arqueólogos levantaram cuidadosamente a velha relíquia até a superfície. A equipe, na companhia de representantes indígenas locais e autoridades regionais municipais, abriu a caixa, revelando as duas ofertas. A análise da própria caixa sugere que ela foi lançada na água por uma corda.

A pulseira de ouro lembrava uma versão em miniatura de uma chipana, que era usada pelos nobres incas em seus antebraços direitos. Braceletes de ouro semelhantes foram encontrados em outros lugares em contextos semelhantes, incluindo no Vale do Cuzco. Emparelhado com a estatueta de lhama, esta oferta espiritual foi provavelmente feita em gratidão por uma temporada de reprodução bem-sucedida de lhamas, ou em comemoração a uma caravana de lhamas, ou em comemoração a uma caravana de lhamas na qual ouro e outros bens foram transportados com sucesso, de acordo com o estudo.

Esta combinação, na qual uma figura em miniatura e ouro estavam entrelaçados, também foi documentada em santuários nas montanhas dos Andes. Nesses casos, as ofertas eram associadas a sacrifícios humanos feitos para agradar as divindades. Os pesquisadores especulam que o lago Titicaca pode ter sido um local para sacrifícios humanos semelhantes, embora não existem evidências arqueológicas para apoiar essa possibilidade.

De qualquer forma, a nova descoberta sugere que o povo inca praticava uma forma de panteísmo, em que todo o lago era percebido como uma huaca sagrada ou divindade, ou simplesmente como o local de nascimento do povo inca.

Além disso, as “oferendas cerimoniais feitas no lago eram atos simbólicos e políticos destinados a legitimar por meio de um ritual o poder da ocupação inca neste espaço sagrado”, escreveram os autores do estudo. E ao reivindicar esses “lugares ritualmente carregados por meio de cerimônias”, escreveram os autores, “os incas aumentaram seu prestígio e legitimidade como soberanos divinos, mantendo o controle sobre a ordem cósmica do mundo”.

De fato, tudo isso é muito pesado para uma pequena lhama e uma pulseira, mas rituais, independentemente do escopo, podem ser coisas muito poderosas.

De forma empolgante, a caixa de pedra foi encontrada em um local diferente de outras descobertas da região, em uma possível pista que outras descobertas aguardam os pesquisadores. Quanto ao destino da lhama em miniatura e da pulseira de ouro, eles foram devolvidos ao município onde as relíquias foram encontradas.