Se há uma coisa ótima sobre a recém-anunciada Olympus E-P2, é que ela provavelmente fará a E-P1 ficar mais barata. Se há duas ou mais coisas ótimas… Bem, leia abaixo.

A Olympus E-P2 é menos uma sequência da E-P1 e mais um polimento da ideia original. Ela tem basicamente o mesmo tamanho da E-P1 (é só um pouquinho mais alta) e captura imagens com o mesmo sensor de 12,3 MP. Continua sem flash integrado, e o corpo retrô de aço inoxidável foi revestido com pintura preta (ainda não vi a nova câmera ao vivo, mas acho que prefiro a original), tal como a Panasonic GF1.

Ela vem com uma nova peça, padrão em todas as configurações de kits: um visor eletrônico (EVF) articulado VF-2 que usa uma nova porta de acessórios, o que significa que é incompatível com a E-P1. Essa porta também pode ser usada para conectar microfones externos, por exemplo.

Talvez a maior melhora seja no sistema de rastreamento de foco automático contínuo, que segue os objetos enquadrados, mantendo o foco neles. É torcer para que isso resolva uma das maiores fraquezas da E-P1: foco lento.

A E-P2 sai em janeiro, com dois kits por US$ 1.100 cada:
• Corpo E-P2 com lente ED 14-42mm f3.5/5.6 Zuiko Digital e EVF
• Corpo E-P2 com lente 17mm f2.8 Zuiko Digital Zoom e EVF

Com a E-P1 custando por volta de US$ 750 com lente, e com a E-P2 tirando fotos provavelmente bem parecidas com as da primeira (além de incluir um EVF), deixamos para você decidir se a diferença de preço compensa.

A Olympus também anunciou duas novas lentes Micro Four Thirds – uma 9-18mm f4.0-5.6 (equivalente 18-36mm) e uma 14-150mm f4.0-5.6 (equivalente 28-300mm). É bom ver a empresa investindo no seu próprio padrão com mais lentes.