Lembra quando você era garoto e adorava assistir Power Rangers? A única coisa que me incomodava no seriado – sem contar o Alfa, o Billy e a Alameda dos Anjos – era o fato de o Megazord destruir a cidade inteira para acabar com um vilão gigantesco aleatório. Como as pessoas comemoravam a vitória se elas tinham perdido suas casas? Bem, aquilo era ficção, as cidades eram feitas de papelão, as árvores eram de plástico, então tudo bem. Mas na ocupação das favelas do Rio, agora no mundo real, dezenas de carros e motos ficaram pelo caminho destruídas pelos tanques da Marinha.

A discussão da destruição dos bens em operações de guerra era mais comum em HQs, como na fantástica série Guerra Civil, da Marvel. Basicamente, quem pagaria por toda essa destruição criada pelos super-heróis? Alguns personagens eram constantemente processados por danos e até advogados especializados em casos de mutantes já apareceram nos quadrinhos. Mas, ei, vivemos no mundo real, e aqui ninguém voa ou sobe pelas paredes. Porém, quando alguém entra num tanque blindado com 12 toneladas, cinco metros de largura e metralhadoras acopladas, não é exagero dizer que criamos nossos próprios personagens fantásticos.



O problema é que aqui, no mundo terreno, os blindados subiram as estreitas ruas da favela carioca e é difícil prever quando (e se) alguém irá ressarcir os donos das mais de 50 motos e carros destruídos, a maioria de civis que moram nas "comunidades". Ouvimos ontem que a polícia não entrava lá há pelo menos 500 dias. E é bom que entre: somos a favor de enxotar todos os bandidos do lugar. Mas vendo essas fotos registradas pelo fotógrafo Júlio César Guimarães, da UOL, do rastro de destruição na Vila Cruzeiro, vemos que a coisa não é tão simples assim:

 

Confira aqui um relato também da UOL sobre a destruição na Vila Cruzeiro, e a extensa galeria de imagens criada pela UOL, clicando ao lado. [UOL]