A poluição por plástico é uma crise global, e países na Organização das Nações Unidas estão considerando um tratado internacional para lidar com o assunto. Mas os maiores perpetradores parecem desinteressados ​​em resolver o problema.

Em uma reunião virtual do grupo de trabalho da ONU focado em lixo marinho e microplásticos na semana passada, mais de dois terços dos países disseram que estão abertos a elaborar um novo acordo para reduzir a poluição por plástico, de acordo com o Guardian. Isso inclui países da Europa, Caribe, ilhas do Pacífico e África, indicando uma ampla coalizão de poluidores e aqueles que lidam com os impactos.

“A UE tem liderado as discussões até agora e também tem recebido forte apoio do Sudeste Asiático e de outras áreas do Sul Global”, disse John Hocevar, diretor da campanha para os oceanos do Greenpeace USA, por e-mail.

Mas, notavelmente, nem os Estados Unidos nem o Reino Unido — as nações que, segundo um relatório recente, são as duas maiores fontes de resíduos plásticos do mundo — mostraram qualquer interesse em participar.

Hocevar disse que a Arábia Saudita também não demonstrou interesse. Isso pode indicar que os maiores produtores de petróleo do mundo estão preocupados com o possível efeito do tratado: a indústria global do petróleo mudou para a produção de plástico devido à queda na demanda de combustível e ao aumento do interesse na eliminação gradual de energia fóssil.

Assim que o presidente eleito Joe Biden entrar na Casa Branca, espera-se que ele se junte a esse esforço global. Mas mesmo que nenhum desses poderosos países mostre apoio, é provável que um tratado esteja no horizonte, embora ainda não se saiba o que incluirá.

“Há muito ímpeto neste ponto”, disse Hocevar. “Portanto, a grande questão não é se haverá um tratado, mas se ele incluirá os tipos de medidas que são urgentemente necessárias.”

Os governos estão tomando mais medidas do que nunca para reduzir a poluição por plástico. Pelo menos 69 emitiram proibições completas ou parciais sobre as sacolas plásticas e, no ano passado, 170 nações assinaram uma compromisso da ONU de reduzir significativamente sua produção até 2030.

As empresas também fizeram todos os tipos de promessas para controlar a poluição por plástico. Mas, apesar de tudo isso, o mundo ainda está despejando mais e mais plástico na terra e na água a cada ano e, sem uma ação urgente, essa quantidade deve crescer tremendamente. Um tratado global poderia ajudar a preencher as lacunas e conter a tendência crescente.

Um relatório de junho de organizações como o Greenpeace estabeleceu os requisitos necessários para um acordo internacional ser eficaz. Isso inclui a criação de uma estratégia universal para rastrear a poluição por plástico, políticas para reprimir aditivos nocivos nesse material e proteções para os países mais pobres que contribuíram menos para a poluição de plástico e para os quais reduzir a poluição será mais caro.

Um tratado internacional também deve encerrar rapidamente a produção de plástico. Isso é vital, uma vez que os produtos feitos desse material são usados ​​em todo o mundo e seus resíduos estão surgindo em todos os lugares, inclusive na inabitável Antártica.

“Qualquer esforço significativo para lidar com a poluição por plástico precisa reconhecer a verdade simples de que precisamos parar de produzir e usar tanto plástico descartável”, disse Hocevar.