Em julho, a fábrica da Samsung em Campinas (SP) sofreu um mega-assalto: 20 criminosos fortemente armados encheram sete caminhões próprios com produtos roubados da empresa, e fizeram 50 funcionários de reféns.

Desde então, a polícia vem investigando pistas para encontrar os ladrões. Após meses de trabalho, foi deflagrada a Operação Android: cerca de cem policiais estão cumprindo 17 mandados de busca e apreensão e 8 de prisão.

Segundo o G1, ao menos quatro pessoas já foram presas nesta operação, que ocorre em São Paulo e nas cidades paulistas de São Roque, Taboão da Serra e Osasco. A Polícia Civil diz que a Samsung teve prejuízo de R$ 20 milhões com o assalto: foram levados 34.602 celulares, tablets e notebooks.

Paraguai

Parte da carga roubada foi descoberta em agosto. Um brasileiro comprou um smartphone da Samsung no Paraguai e reclamou com a assistência técnica que não conseguia ativá-lo. Isso aconteceu porque o produto havia sido roubado, e seu IMEI foi bloqueado pela empresa.

A polícia foi avisada e fez uma operação na Ciudad del Este, no Paraguai, um dos destinos da carga roubada. Com juiz e promotores paraguaios, um grupo da Polícia Civil de Campinas atravessou a fronteira e cumpriu três mandados de busca e apreensão, detendo o dono de uma loja.

Isso era apenas a ponta do iceberg, mas ajudou a caçar os bandidos que venderam a carga. A polícia também usou imagens do circuito de segurança da fábrica para identificar os integrantes da quadrilha.

O assalto ocorreu no início de julho, entre a meia-noite e 3h da manhã. De acordo com a polícia, uma van com funcionários da Samsung foi rendida na estrada; os criminosos então roubaram as roupas e crachás deles para entrar na fábrica. Eles usaram metralhadoras e fuzis para render os seguranças, fizeram a limpa usando caminhões próprios, e fugiram.

Outros casos

A polícia diz que há uma quadrilha especializada no roubo de eletrônicos em SP. Em setembro, um bando assaltou uma carga avaliada em R$ 1,6 milhão de uma rodovia em Campinas. A carga seria levada para a Motorola, em Jaguariúna (SP), e pertencia à empresa terceirizada Flextronics.

E em novembro, uma carga avaliada em R$ 1,3 milhão foi assaltada em uma estrada de Campinas, mas logo recuperada pela polícia. Os produtos apreendidos seriam tablets e smartphones da Apple.

Nas estradas de São Paulo próximas a fábricas de eletroeletrônicos, o roubo de cargas vem aumentando: em 2013, o número saltou para 81, aumento de 47% em relação ao ano anterior. [G1 e Exame]

Foto por Adil Nurmakov/Flickr