A sonda do coração de todos nós, a Philae, estava viajando a 0,5 m/s em direção ao formidável bloco de gelo e pedra conhecido como cometa 67P. Isto foi lento o suficiente para a nave-mãe Rosetta capturar a descida em imagens publicadas hoje pela ESA.

Estas imagens foram tiradas usando a câmera de ângulo estreito OSIRIS, um dos vários sistemas de imagem a bordo da Rosetta. O OSIRIS aparentemente é capaz de fazer imagens do cometa com uma excelente resolução de dois centímetros por pixel. A ESA diz que estas fotos têm, na verdade, 28 cm/pixel, e foram tiradas pela Rosetta quando a Philae viajava pelo cometa. Como você provavelmente já sabe, a sonda “saltitou” de volta para o espaço não uma, mas duas vezes, e acabou parando num lugar escuro e ficando offline, esperando a luz do Sol, como num sono encantado robótico.

Por mais triste que isso seja, vale considerar o fato extraordinário do pouso — para não mencionar a ideia de que, mesmo a 500 milhões de quilômetros de distância do seu computador, uma nave espacial conseguiu fotografar e enviar as imagens para a Terra.

Imagem: ESA/Rosetta/MPS for OSIRIS Team MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA

Leia mais sobre a missão Rosetta: