Muitas pessoas estão preocupadas com a ética e o futuro da inteligência artificial (IA) ​​e da robótica. E, aparentemente, o Papa Francisco está entre elas.

Todos os meses, o papa divulga uma nova intenção de oração. Os tópicos variam: setembro, por exemplo, era sobre sustentabilidade; fevereiro, era para migrantes; e março foi para católicos na China. Agora em novembro, Francisco está conclamando todos os bons católicos a “orar para que o progresso da robótica e da inteligência artificial sempre sirva à humanidade”.

Calma, pois não parece que o Papa tenha maratonado O Exterminador do Futuro e esteja pedindo aos seguidores que orem pela salvação de um apocalipse das máquinas. Em um vídeo publicado pelo Vatican News no YouTube, Francisco diz: “A inteligência artificial está no centro da mudança histórica que estamos vivenciando. A robótica pode tornar possível um mundo melhor se for aliada ao bem comum.”

Neste ponto, o vídeo parece cortar para a filmagem de um protótipo do robô Spot da Boston Dynamics, aquele que lembra um cachorro e que começou a ser vendido comercialmente há algum tempo. Também há acessórios de realidade aumentada usados ​​por trabalhadores da construção civil e da agricultura, exoesqueletos dedicados a ajudar as pessoas a andar e um robô incrivelmente morto acenando para um humano.

“Na verdade, se o progresso tecnológico aumenta as desigualdades, não é um verdadeiro progresso. Os avanços futuros devem estar orientados para o respeito à dignidade da pessoa e da Criação. Oremos para que o progresso da robótica e da inteligência artificial sempre sirva à humanidade. Poderíamos dizer, que ‘seja humano’”, completou o pontífice.

Além do fato de que o vídeo é da série “The Pope Video”, dedicada à “Pope’s Worldwide Prayer Network”, é engraçado imaginar toda a população católica global orando pelo avanço ético e equitativo da robótica e da IA. Parece que o Papa Francisco, ou pelo menos sua equipe de mídia social, estão bem antenados com a tecnologia.

A notícia, que foi relatada pela primeira vez pelo The Verge (via Import AI), pode parecer surpreendente. Contudo, esta não é a primeira incursão do Vaticano em IA e robótica em 2020.

Em fevereiro, o Vaticano lançou o “Rome Call for AI Ethics”, um simpósio que, de acordo com a Reuters, discutiu “princípios que promovem o uso ético de inteligência artificial”. O evento em si foi apoiado pela Microsoft e IBM, e contou com discursos do presidente da Microsoft, Brad Smith, do vice-presidente executivo da IBM, John Kelly III, e do presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli.

Algumas das preocupações do papa com relação à desigualdade relacionada à IA incluem o uso de sistemas de reconhecimento facial pela polícia para investigar crimes e grandes empresas que usam IA para examinar os pedidos de emprego. Kelly, da IBM, também disse à Reuters que o Papa Francisco estava preocupado se a inteligência artificial e a robótica estariam disponíveis para todos ou se isso agravaria a divisão entre “os que têm e os que não têm”.

Deixando de lado a IA e a robótica, esta também não foi a primeira vez que o Papa Francisco faz uso da tecnologia para orientar os católicos do mundo sobre o que orar. No ano passado, o papa divulgou o aplicativo ClickToPray, sugerindo os adeptos a baixá-lo para que pudessem acessar uma seção onde o papa deixou orientações de oração mensal. Ele também criou uma conta no Instagram em 2016 e assumiu o Twitter @Pontifex, que foi iniciado por seu antecessor, o Papa Bento XVI. E sim, o papa já tuitou sobre orar sobre a ética da IA.