O mundo dos criptoativos viu um aumento vertiginoso dos NFTs neste ano. Eles vinham sendo usados para vender a propriedade de tudo, de obras de arte online a tuítes aleatórios. Ninguém nunca entendeu direito por que eles estavam com preços tão inacreditáveis. Poder se gabar? Símbolos de status? Pura especulação impulsionada pela alta das criptomoedas e fantasias de enriquecimento rápido?

A resposta atual para a pergunta “Qual é o valor de um NFT?” parece ser “não muito, e está despencando”. O site Protos, especializado em notícias sobre criptoativos, publicou na quarta-feira (2) que os NFTs rastreados no banco de dados Nonfungible.com atingiram o pico em 3 de maio, registrando US$ 102 milhões em transações NFT em um único dia. O período de sete dias em torno do pico gerou US$ 170 milhões em transações. Mas na semana passada, esse número foi de apenas US$ 19,4 milhões em vendas de NFT, uma queda de 90% em relação ao pico.

NFTs, ou tokens não fungíveis, são itens colecionáveis digitais codificados em um blockchain, a mesma tecnologia que serve de base para as criptomoedas, criando uma marca d’água digital exclusiva que significa a propriedade dos direitos digitais de um ativo.

As vendas de obras de arte NFT foram de arregalar os olhos e atraíram grande parte da atenção da mídia. Por outro lado, o mercado era e continua sendo dominado por criptocolecionáveis — por exemplo, pequenos rostos de pixels chamados CryptoPunks, retratos Hashmasks e Twerky Pepes (baseados no sapo que virou sinônimos de fóruns de imagens como o 4chan e da extrema direita online).

De acordo com a Protos, seu conjunto de dados mostra US$ 9,2 milhões em vendas de cripto-colecionáveis ​​na semana passada. Os NFTs “metaversos”, como por exemplo um aplicativo que permite às pessoas comprar bens imóveis digitais, movimentaram US$ 3,3 milhões na semana passada. Souvenirs esportivos, como itens do NBA Top Shot, que se parecem com cartas colecionáveis, também ultrapassaram as obras de arte, com US$ 3,16 milhões em vendas no mesmo período. A arte veio atrás de todos eles com US$ 3 milhões.

Outro dado preocupante para o mercado de NFT: a Protos diz que seu conjunto de dados mostra que os participantes parecem estar reconsiderando se os itens colecionáveis ​​da Internet são um bom uso de seu dinheiro:

O número de carteiras NFT ativas também caiu de mais de 12 mil no pico diário de cada categoria NFT para apenas 3.900 ontem (quase 70% menos).

Assine a newsletter do Gizmodo

Os NFTs sempre foram especulativos, e o interesse tanto pelos itens de arte caros quanto pelos itens de coleção mais baratos está desaparecendo rapidamente. As vendas estão despencando. A bolha NFT estourou. Se outra bolha NFT vai ricochetear em seu lugar pode depender se os exemplos acima vão se tornar coisas como gibis raros ou cartas Pokémon (que retêm valor graças à raridade e sua associação com marcas lendárias e nostalgia) ou como Fofoletes, bichinhos de pelúcia da Parmalat ou Tazos.

O fato de o preço do Bitcoin estar caindo também não ajuda. Há também uma atenção crescente aos custos ambientais desproporcionais de criptomoedas e NFTs, que sugam grandes quantidades de eletricidade para alimentar os algoritmos de criptografia que rodam blockchains. Além disso, países como a China vêm tentando reprimir as criptomoedas. A tendência de queda nos preços do Bitcoin pode se reverter, como já aconteceu inúmeras vezes antes, mas o ciclo frenético de crescimento e queda da criptomoeda torna quase impossível adivinhar se os NFTs vão ser alguma coisa além de fogo de palha.

Seja como for, não dá para dizer que você não foi avisado.