O site de música Pitchfork está fazendo 15 aninhos nesta semana. Pitchfork, isso mesmo. Nunca ouviu falar? Se você não fica repetindo bobagens como ‘a música de hoje é um lixo’, está na hora de conhecer o site mais influente de música, que publica vídeos incríveis, faz ótimas entrevistas e algumas resenhas históricas.

Como um site lotado de textos e resenhas sobre música dá certo em uma era em que o download é ridiculamente fácil e o melhor caminho para se ter informações é o Twitter? Primeiro, é bom ter um bom tempo de estrada para ganhar respeito. O site entrou no ar em 1996 prometendo resenhas de músicas em tempos em que o download de um arquivo de 70MB em um minuto era um sonho futurista.

Segundo, é preciso ter boas opiniões e um ótimo texto. Isso a Pitchfork sempre teve — você pode nem sempre concordar com a opinião, mas os jornalistas de lá sabem argumentar. E o texto é um exemplo de adaptação ao mundo digital: se você não sabe usar o humor ao seu favor e suavizar algo que parece complexo, você está ferrado. E a Pitchfork faz isso com maestria. Nós, inclusive, pensamos em usar parte do sistema de resenha deles, como este aqui sobre o segundo álbum da banda Jet — um review que virou marco (clique e descubra) — ou o da banda Louis XIV (eles também escrevem coisas ótimas quando é para falar bem, como no caso do álbum Supermodified, do ótimo Amon Tobin.)

Deixamos aqui nosso parabéns aos 15 anos da Pitchfork. O site é uma das provas de que é possível produzir bom conteúdo na internet sem ter que depender exclusivamente de sensacionalismo e truques para aumentar pageviews.