Uma doença parasitária semelhante ao câncer, causada por um tipo de verme chamado tênias, invadiu a América do Norte, e deixou em alerta pesquisadores do Canadá. A análise mais recente mostrou que os casos da doença, ainda muito rara, começaram a aumentar na província de Alberta e em outros lugares nos últimos anos, tanto em humanos quanto em animais. Os cientistas também apresentaram evidências de que esses parasitas provavelmente foram trazidos por cães da Europa e agora definitivamente fizeram um novo lar na região.

A doença é chamada equinococose alveolar (AE sigla em inglês) e é causada pela infecção da tênia Echinococcus multilocularis. Esses parasitas podem infectar várias espécies de mamíferos, mas seus hospedeiros definitivos são cães selvagens e domésticos. As pessoas geralmente são infectadas pela ingestão de ovos microscópicos ao comerem alimentos contaminados ou pelo contato com animais infectados.

Infelizmente, esses ovos ainda causam mais problemas; eles penetram nos órgãos, normalmente o fígado, e se transformam em tumores parasitas autossustentáveis, ocasionando uma espécie de tumor externo. 

Pode levar anos de infecção para que apareçam os sintomas de EA, que muitas vezes se assemelham ao câncer de fígado e incluem dor abdominal superior, fraqueza geral e perda de peso. Sem tratamento — geralmente a remoção cirúrgica dos tumores e/ou um ciclo vitalício de medicamentos antiparasitários — o AE pode ser fatal.

A doença, contudo, é rara em humanos, mas costumeira em partes da Europa e da Ásia. Apesar disso, quase nunca tinha sido visto na América do Norte até recentemente. Antes da década de 2010, havia um total de duas vítimas claramente documentadas no continente: um caso de Manitoba, Canadá em 1928, e um segundo de Minnesota, EUA, em 1977. Outra pesquisa sugeriu que esses vermes podem ter vivido nas partes do noroeste do continente por um tempo, ocasionalmente adoecendo os indígenas que os encontraram, mas nunca em grande número. Agora, pesquisadores da Universidade de Alberta e de outros lugares dizem que a situação piorou.

Em uma análise de casos publicada em março no The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, os cientistas dizem que documentaram 17 casos de EA humana somente em Alberta entre 2013 e 2020. Todos os casos foram tratados com medicamentos antiparasitários, que são usados quando a cirurgia por si só não consegue interromper os crescimentos com segurança. Infelizmente, uma pessoa morreu após complicações da cirurgia. A maioria dessas vítimas possuía cães, e os cientistas apontam outras pesquisas que mostram que os casos de EA em animais selvagens (geralmente em coiotes) também aumentaram na área durante o mesmo período.

Esses casos mais recentes, com base em uma análise genética das tênias encontradas nos pacientes, parecem remontar a uma cepa que provavelmente pegou carona em cães originalmente infectados na Europa — uma cepa que parece mais capaz de se espalhar e causar doenças em humanos e animais do que quaisquer populações previamente existentes na área.

“É inequivocamente novo como doença humana no hemisfério ocidental. A explicação parece muito claramente ser a introdução da cepa europeia mais virulenta do parasita em nossa ecologia de vida selvagem ”, disse o autor principal Stan Houston, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Alberta, ao Gizmodo por e-mail. “Por que é mais aparente em Alberta, de longe, no momento, ainda é um mistério. Acho que é mais provável que haja uma combinação de fatores de onde o parasita foi introduzido pela primeira vez e/ou ecologia favorável da vida selvagem”, explica.

Embora Alberta pareça ser o ponto quente atual para esses vermes, Houston ouviu outros pesquisadores sobre seus casos da doença ​​recentemente descobertos, incluindo dois casos em humanos nos Estados Unidos. E ele certamente está preocupado que os vermes possam se espalhar ainda mais pela América do Norte. “Claro que poderia, o que sabemos até agora sugere que o parasita foi notavelmente bem-sucedido, alcançando uma prevalência consideravelmente maior em coiotes de Alberta do que em seu reservatório natural, a raposa vermelha na Europa”, disse ele.

Felizmente, a AE humana continua sendo uma doença relativamente rara, com uma estimativa de 18 mil casos por ano, principalmente na China. E como o AE acaba matando suas vítimas se não for tratado, Houston não duvida de que haja muito mais casos ocultos além dos casos que os cientistas descobriram até agora. Uma boa higiene simples, como lavar as mãos depois de cuidar do cachorro, especialmente se você mora em uma área mais rural onde vivem coiotes, e lavar os alimentos cultivados localmente em áreas ricas em coiotes, pode reduzir ainda mais o risco de infecção.

Assine a newsletter do Gizmodo

Por mais incomum que seja, a incidência de EA parece estar aumentando também em algumas partes da Europa, possivelmente devido aos efeitos que as mudanças climáticas e a urbanização tiveram nos animais hospedeiros dos vermes. E a falta de sintomas na infecção inicial também pode atrasar o diagnóstico a ponto de a cirurgia não ser mais uma opção (em oito dos 17 casos encontrados em Alberta, os crescimentos foram encontrados acidentalmente durante outros exames). Por esse motivo, Houston e outros pesquisadores planejam ficar de olho nessas tênias. Eles também conduziram um estudo com pacientes em Alberta que realizaram biópsia no fígado, mas aparentemente não tinham câncer, para ver se algum deles poderia ter tido EA em vez disso.