Não importa se você deixa seu perfil do Facebook privado — mesmo assim você pode receber uma solicitação para entregar suas fotos e mensagens durante um processo, segundo uma corte de apelação de Nova York determinou nesta terça-feira (13).

Um painel de sete juízes determinou de forma unânime que uma mulher, machucada durante prática de equitação e que, posteriormente, se tornou reclusa, teve de exibir fotos de sua conta privada para o proprietário do cavalo, reporta a agência de notícias Reuters.

Estudo reforça a sensação de que o Facebook não é mais uma rede social para jovens
O Facebook está feliz, pois as pessoas estão um pouco menos viciadas na rede social

A disputa pelas fotos começou em 2011, quando Kelly Forman sofreu lesões na vértebra e no cérebro durante uma queda. No processo, Kelly alega que Mark Henkin, o dono do cavalo, causou a queda por não ter preparado o estribo (item usado para se apoiar e montar no animal) corretamente. Henkin quer acessar as fotos privadas do Facebook de Kelly que podem mostrar ela antes e depois do acidente.

Um tribunal de julgamento favoreceu Henkin em 2014, instruindo Kelly a fornecer imagens que não incluam nudez assim como as mensagens que ela enviou após o acidente. A decisão foi revertida por uma corte estadual de apelação em 2015, segundo a Reuters, antes do caso voltar a favorecer novamente Henkin.

“Alguns materiais de uma conta no Facebook podem ser razoavelmente caracterizados como privadas”, escreveu a juíza principal da Corte de Recursos Janet DiFiore em sua decisão. “Mas mesmo materiais privados podem ser alvo de descobertas se forem relevantes.” As fotos podem ajudar a provar se Kelly se tornou reclusa após a queda, acrescentou a juíza.

O caso é um bom lembrete de que as configurações de privacidade do Facebook não são super efetivas. Embora você possa impedir que certas pessoas não vejam o que você posta, essas configurações não se aplicam se você estiver envolvido em uma batalha judicial.

[Reuters]

Foto do topo por Getty Images