O bitcoin agora flutua perto dos US$ 6.300, mas há pouco tempo chegou aos impressionantes US$ 20.000. Alguns céticos se perguntavam como tal aumento foi possível, e um artigo feito pelo pessoal da Universidade do Texas sugere uma resposta bem plausível: manipulação de preços.

• Novas regras da Apple para a App Store incluem proibição total à mineração de criptomoedas
• Preço do bitcoin despenca depois de invasão a bolsa sul-coreana — e está 53% menor que em dezembro

O artigo de 66 páginas de Amin Shams e do professor John Griffin procura pela relação entre o bitcoin e o tether, uma “moeda estável” supostamente atrelada ao dólar americano. O estudo, como resumido pelo New York Times, “identificou diversos padrões diferentes que sugerem que alguém ou algumas pessoas [da casa de câmbio Bitfinex] tiveram sucesso ao trabalhar pela elevação dos preços quando eles caiam em outros câmbios”, utilizando o tether como mecanismo para inflar esses preços.

O estudo também especula que “se o tether foi forçado a outras casas de câmbio de criptomoedas, em vez de ser solicitado por investidores interessados, ele pode não ser totalmente atrelado ao dólar em sua emissão”, algo que os críticos dessa moeda suspeitam há muito tempo. Os preços das chamadas “alt-coins” (moedas alternativas) tendem a estar fortemente relacionados aos preços do bitcoin, o que significa que se a manipulação descrita no artigo for precisa, haverá algumas consequências amargas para todo o mercado.

Há especulações de que o valor do bitcoin tem sido manipulado pelo tether – e o Gizmodo descobriu que uma recuperação repentina no preço do bitcoin em fevereiro coincidiu com um súbito influxo tether sendo adicionado ao mercado. Tether e a casa de câmbio Bitfinex, ambas ambas de propriedade da iFinex, foram intimadas pela Comissão de Negociação de Contratos Futuros de Commodities dos Estados Unidos (CFTC), agência que regula mercados financeiros, em dezembro.

[NYT]

Imagem do topo: Dan Kitwood (Getty)