Muitos americanos deixaram de acreditar na importância das vacinas nas últimas duas décadas, enquanto mais da metade não tem certeza ou acredita erroneamente que elas podem causar autismo. Pelo menos, essas são as conclusões assustadoras de uma nova pesquisa Gallup divulgada terça-feira (14). Pior ainda é que os pais de crianças menores de 18 anos se tornaram mais céticos em relação às vacinas desde 2015.

A pesquisa, realizada pela Gallup, entrevistou pouco mais de 1.000 adultos nos EUA por telefone no mês passado. Entre as perguntas feitas estavam: “Quão importante é os pais vacinarem seus filhos – extremamente importante, muito importante, relativamente importante, pouco importante ou nem um pouco importante?”

Apenas 84% ​​das pessoas concordaram que a vacinação infantil era extremamente ou muito importante, segundo a pesquisa. Essa porcentagem permanece inalterada em relação a uma pesquisa similar da Gallup realizada em 2015, mas mostra uma queda em relação aos 94% das pessoas que disseram o mesmo em uma pesquisa da Gallup de 2001. Além disso, enquanto 85% das pessoas que tinham filhos menores de 18 anos disseram que as vacinas eram cruciais em 2015, apenas 77% disseram isso em 2019.

Os números são ainda mais desanimadores quando você considera que 2019 forneceu alguns dos exemplos mais claros de por que as vacinas são tão importantes. Os EUA enfrentaram os maiores surtos de sarampo observados desde o início dos anos 90, no ano passado, com quase 1.300 casos em 31 estados (além dos milhões de dólares necessários para conter a doença viral altamente contagiosa). E países de outros lugares experimentaram um ressurgimento surpreendente do sarampo, incluindo um surto maciço na pequena nação insular de Samoa que atingiu 5.000 pessoas e matou 70, a maioria crianças menores de 5 anos.

As descobertas da Gallup também demonstram como realmente foram duradouros os mitos prejudiciais sobre a vacinação. 46% disseram que não tinham certeza se as vacinas poderiam causar autismo, enquanto 10% disseram que sim. Na verdade, o elo proposto entre vacinas e autismo – promovido pelo movimento anti-vacinação – já foi desmentido há muito tempo.

Também não é necessariamente uma questão de as pessoas não conhecerem os benefícios das vacinas. Quase 90% disseram ter ouvido “muita coisa” ou uma “quantidade razoável” de informações sobre os benefícios da vacinação, em comparação com 79% que disseram o mesmo sobre possíveis desvantagens. No total, 86% concordaram que as vacinas não são mais perigosas do que as doenças que tentam prevenir.

Cientistas e pesquisadores em saúde pública têm se esforçado para descobrir a melhor mensagem para trazer à luz as pessoas céticas em relação às vacinas, sem estratégias claras de vitória até o momento. Mas na pesquisa Gallup, pelo menos, as pessoas com menos de 30 anos ou com mais de 65 anos eram mais propensas a ver a vacinação como crucial e sabem com certeza que as vacinas não causam autismo, assim como aquelas que obtiveram um diploma universitário ou se identificaram como democratas.