Uma equipe de pesquisadores de ciência da computação conseguiram fazer caber o incrível número de 1.000 núcleos individuais em uma nova forma de CPU, resultando no que eles esperam ser um aumento de 20 vezes em relação ao desempenho atual.

O processador alternativo foi feito usando a tecnologia FPGA (Arranjo de Portas Programável em Campo), já existente, uma forma de gerenciamento de transistores que permite ao usuário definir funções específicas para grupos de circuitos e alocar tarefas individuais para eles – criando vários núcleos gerenciáveis e modificáveis na hora.

O Dr. Wim Vanderbauwhede, da Universidade de Glasgow, na Escócia, e uma equipe da Universidade de Massachusetts Lowell criaram o CPU, que além de ser mais rápido, também é mais eficiente no uso de energia. É pura magia, mas ainda “um trabalho de prova de conceito, em estágio bastante inicial”. [Daily Mail]