A criatividade é algo muito abstrato e específico de cada um. É por isso que ela é difícil de definir e talvez ainda mais difícil de medir, mas os cientistas acreditam que descobriram uma maneira simples de avaliar pelo menos um aspecto dessa característica.

Acontece que uma equipe criou um teste que você pode fazer em poucos minutos — e funciona melhor quando você não sabe muito sobre como funciona a análise. O método, denominado Divergent Association Task (DAT), pede às pessoas que nomeiem 10 substantivos com o máximo de significado possível. “Gato” e “livro”, por exemplo, seriam mais divergentes do que “gato” e “cachorro”.

A partir daí, um algoritmo de computador mede então essa distância semântica, ou seja, o quanto as duas palavras têm a ver uma com a outra, entre os substantivos que a pessoa criou. E foi com base na análise das respostas de 8.914 voluntários que os especialistas determinaram que o DAT é pelo menos tão bom quanto os métodos atuais para prever a criatividade de alguém.

“Várias teorias afirmam que pessoas criativas são capazes de gerar ideias mais divergentes”, escrevem os pesquisadores em seu artigo, publicado na revista científica PNAS. “Se isso estiver correto, simplesmente nomear palavras não relacionadas e, em seguida, medir a distância semântica entre elas pode servir como uma medida objetiva do pensamento divergente.”

As pontuações de criatividade do teste se correlacionaram tão bem com as pontuações já existentes quanto entre si, o que implica que é tão útil na avaliação da criatividade quanto ferramentas mais complicadas. Além do mais, os dados mostram que sua eficácia parece se aplicar a diferentes grupos demográficos, tornando-o adequado para pesquisas em grande escala. 

Os principais benefícios desta criação são que ele é simples e rápido de ser concluído e não requer nenhum tipo de avaliação humana, o que pode introduzir preconceito. No entanto, os pesquisadores fazem questão de ressaltar que ele não mede todos os aspectos da criatividade. “Nossa tarefa mede apenas uma porção de um tipo de criatividade”, diz, ao portal Sciencealert, o psicólogo Jay Olson, da Universidade de Harvard. “Mas essas descobertas permitem avaliações de criatividade em amostras maiores e mais diversificadas com menos preconceito, o que nos ajudará a entender melhor essa habilidade humana fundamental.”

Assine a newsletter do Gizmodo

Como Olson aponta para a CNN, o teste explora o pensamento divergente e a criatividade verbal — ele não mostra o quão criativo você pode ser ao cozinhar, por exemplo, que usa um conjunto diferente de habilidades, mas pode prever a aptidão em certas tarefas de resolução de problemas. “A criatividade é fundamental para a vida humana”, diz Olson. “Quanto mais entendemos sua complexidade, melhor podemos promover a criatividade em todas as suas formas.”