Uma equipe internacional de pesquisadores relatou a descoberta de impressões de mãos e pés em Quesang, no planalto tibetano. As impressões fósseis datam em torno de 169 mil a 226 mil anos atrás e parecem ter sido criadas intencionalmente, o que podem representar a primeira arte desse tipo que temos conhecimento.

Chamada de arte parietal, essa forma de expressão visual ancestral geralmente surge nas paredes das cavernas, mas também pode ser feita no solo, como parece ser o caso da recente descoberta. O fóssil é uma série de impressões de mãos e pés, nenhuma das quais se sobrepõe.

Além de ser potencialmente a arte parietal mais antiga conhecida, o local é a primeira evidência de hominídeos situados tão alto no planalto tibetano, que fica a cerca de 3.6 mil metros acima do nível do mar. O trabalho da equipe descrevendo as impressões fossilizadas foi publicado esta semana no Science Bulletin.

As impressões fósseis. Foto: D.D. Zhang et al. / Science Bulletin

“Sabemos como pegadas são feitas durante atividades normais, como caminhar, correr, pular, incluindo coisas como derrapar”, disse Thomas Urban, cientista pesquisador do laboratório de anéis de árvores da Universidade Cornell e coautor do artigo, em um e-mail para o Gizmodo US. “Essas impressões, no entanto, são feitas com mais cuidado e têm um arranjo específico – pense mais ao longo das linhas, como uma criança que pressiona a mão em cimento fresco.”

Imagem mostrando as posições de cada impressão. Gráfico: D.D. Zhang et al. / Science Bulletin

As impressões – cinco de mãos e cinco de pés – foram feitas no que era lama perto da fonte termal de Quesang e se transformou em rocha travertina ao longo dos milênios. Diferentes marcas de mãos perto do local foram descobertas pelo autor principal David Zhang em 1988 perto de uma casa de banhos, mas as impressões que os autores acreditam serem obras de arte não foram encontradas até 2018. Embora o intervalo de datas estimado para os fósseis seja amplo, essas impressões são mais antigas comparada às pinturas rupestres encontradas em Lascaux (França) e Celebes (Indonésia) em mais de 120 mil anos.

Com base no tamanho das gravuras, a equipe acredita que os artistas poderiam ter em torno de 7 e 12 anos. As pegadas eram do tamanho de uma criança, mas as impressões das mãos eram maiores. Essa conclusão assume que as impressões foram feitas pelo Homo sapiens, o que os pesquisadores não têm certeza. Se a espécie humana que fez as pegadas não fosse o Homo sapiens, as estimativas de idade podem estar erradas. A linha do tempo para as impressões se alinha aproximadamente aos restos semelhantes dos Denisovanos que foram encontrados no planalto tibetano, então esse é um candidato alternativo para as pistas.

Uma varredura tridimensional do painel de impressão, mostrando o gradiente de profundidade das impressões. Imagem: D.D. Zhang et al. / Science Bulletin

Se as impressões são arte também depende da interpretação. De acordo com Matthew Bennett, um geólogo da Universidade de Bournemouth que se especializou em pegadas e rastros antigos, é provável que essas marcas antigas tenham sido intencionais. “É a composição, que é deliberada, o fato de os traços não terem sido feitos pela locomoção normal e o cuidado para que um traço não se sobreponha ao outro, tudo isso mostra um cuidado deliberado”, disse Bennett ao Gizmodo US por e-mail .

Assine a newsletter do Gizmodo

“Se tal comportamento é artístico depende da definição que se aplica – mas entra em uma classe de comportamentos que geralmente é mais complexa do que é vista com outros animais”, disse Urban. “Comportamentos simbólicos como linguagem, religião e arte devem ter manifestações mais simples no início da história humana – então, se você está procurando a arte mais antiga, não vá em busca da Mona Lisa ou provavelmente ficará desapontado”.