No começo desta semana, 12 garotos tailandeses de um time de futebol e seu treinador foram encontrados presos em uma caverna inundada pela chuva. Eles estão em uma espécie de bolsa de ar dentro de um sistema de cavernas submersas e não há expectativa para que o nível d’água abaixe tão cedo. No entanto, um plano ambicioso para resgatá-los está se formando.

• Mergulhadores descobrem maior caverna inundada do mundo no México
• Baleia morre na Tailândia após ingerir 80 sacolas plásticas

Para recapitular rapidamente, os garotos, que possuem entre 11 e 16 anos, e seu treinador, de 25 anos, entraram na caverna Tham Luang Nang Non na província tailandesa de Chiang Rai no dia 23 de junho.

O aumento do nível d’água com as fortes chuvas fizeram com que o time de futebol precisasse ir para locais cada vez mais profundos dentro da caverna, quase que a dois quilômetros da entrada. No dia 2 de julho, um time de resgate dos SEALS da Tailândia e dois mergulhadores britânicos experientes encontraram a equipe se amontoando em uma rocha lamacenta e elevada.

Os vídeos capturados na ocasião mostraram que os garotos estavam bem, muito embora estivessem fracos já que ficaram sem comida por nove dias. Na última terça-feira (3), um médico e um enfermeiro se juntaram aos membros do time “Wild Boar” (Javali Salvagem) dentro da caverna, e proveram suprimentos de fácil digestão, comida, vitaminas e minerais.

Os garotos, vistos no dia 3 de julho de 2018, dentro da caverna. Imagem: AP

A alegria pela descoberta dos garotos durou pouco, já que a expectativa de sair de lá não se concretizou.

O rota até a entrada é longa e tortuosa, além de estar completamente inundada, com exceção de alguns bolsões de ar ao longo do caminho. Além disso, a água fica mais densa em contato com a lama e a visibilidade é praticamente nula. Algumas regiões são tão estreitas que os mergulhadores mal conseguem passar seus tanques de oxigênio, e o fluxo de água é muito forte em outras áreas.

Para piorar as coisas, a estação de monção deve durar por quatro ou cinco meses, e os níveis d’água só devem abaixar depois disso – e não há intervenção humana possível. Para piorar as coisas, alguns dos garotos não sabem nem nadar, muito menos têm familiaridade com mergulhos.

Remédios e comidas estão sendo transportados para os garotos e o plano “B” seria fazer com que os garotos esperassem para sair da caverna apenas em outubro ou novembro. Um esquema para oferecer suprimentos e remédios por quatro meses já foi montado.

Mas as autoridades tailandesas prefere que não se espere tanto tempo. Rear Admiral Apakorn Yuukongkaew, que está comandando a unidade SEALs tailandesa, admitiu que o clima é uma preocupação constante, mas que os garotos serão retirados da caverna assim que água o suficiente for removida do local.

“Mas se isso não funcionar, com as chuvas de verão, faremos de outra maneira”, disse Yuukongkaew aos jornalistas na terça-feira. “Temos um ‘plano A’ e um ‘plano B’, e no final das contas, todos voltarão para os braços de seus lares”.

Ele não deu detalhes a respeito de nenhum dos dois planos, mas conforme a reportagem do Guardian, cerca de 120 milhões de litros de água já foram retirados da caverna entre terça e quarta-feira.

Um cano d’água é colocado na entrada do complexo de cavernas onde 12 meninos e seu treinador de futebol estão presos. Imagem: AP

Os garotos também estão tendo um curso rápido de natação e introdução a mergulhos. As autoridades atualmente estão conversando com a Mermaid Subsea Services em Bangkok, uma empresa que geralmente oferece equipamentos para extração submarina de petróleo e gás. A companhia deve oferecer máscaras de mergulho para os garotos.

Idealmente, máscaras AGA Divator seria utilizadas. Elas cobrem todo o rosto e se encaixam perfeitamente em crianças. Ruengrit Changkwanyuen, um oficial do contingente tailandês da equipe de mergulho internacional, disse que os garotos também terão roupa de mergulho (já que a água é muito gelada), botas e capacetes.

Remover toda a água do sistema de cavernas provavelmente não é possível, mas uma vez que os níveis estiverem baixos o suficiente, a quantidade de tempo que os garotos precisarão passar submersos será minimizada. O tempo será crítico e as autoridades precisarão pesar todas as condições contra as previsões meteorológicos.

Socorristas tailandeses se preparam para um mergulho nas cavernas. Imagem: AP

Assim que o resgate começar, uma corda estática, que já está pronta, guiará cada um dos garotos e seu respectivo socorrista pelas águas turvas e escuras em direção à entrada – ou, mais apropriadamente, à saída. Como alternativa, um time de mergulhadores de resgate vão se posicionar ao longo da rota, fazendo uma espécie de revezamento.

A jornada pode levar três horas ou mais, então serão colocados tanques de estágio a cada 25 ou 50 metros, para o caso de o nível de oxigênio começar a abaixar e os tanques originais precisarem ser substituídos. Os garotos não devem carregar seus próprios tanques, mas devem utilizar aqueles que forem carregados pelos socorristas. Idealmente, apenas um garoto deve fazer o percurso por vez, para evitar problemas.

As autoridades já estão recrutando mergulhadores que falam tailandês, o que deve ajudar a manter os garotos calmos durante a dura jornada. As condições escuras e claustrofóbicas poderia induzir ao pânico com facilidade, e isso vale até mesmo para mergulhadores experientes.

Utilizar um equipamento de mineração para cavar uma passagem para os garotos não está sendo considerado, já que eles estão a mil metros abaixo do topo da montanha. Dito isso, os times estão vasculhando a montanha e procurando por entradas alternativas até a caverna.

São planos ambiciosos e ousados, mas as autoridades tailandesas insistem que nenhum dos garotos será colocado em risco. Os detalhes do plano B não foram revelados, mas esperar que a época de chuva acabe, embora esteja longe do ideal, ainda é uma opção sensata.

[Reuters via CBC, The Guardian, Globe and Mail]

Imagem do topo: AP