Uma fazendeira do Estado do Maine, nos Estados Unidos, acredita que a única forma de garantir a sobrevivência de uma raça rara de porcos é fazer com que as pessoas tenham interesse em comê-los.

Órgãos de porcos geneticamente modificados podem um dia ser transplantados para humanos
Cientistas avançam mais um passo para desenvolver órgãos humanos dentro de porcos

Susan Frank — cuja fazenda conta com dúzias entre as 500 espécies de porcos de raça pura registrados nos Estados Unidos — recebeu US$ 50 mil do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos para ajudar a salvar estes porcos casco de burro. Ela acredita que se as pessoas se tornarem mais interessadas neles, os criadores teriam um incentivo para continuar criando essas espécies.

Rare Pigs

“Sei que pode parecer estranho, mas você precisa comer um porco de raça rara para ajudar na causa”, disse Frank à Associated Press. “Vejo isso como uma forma de tornar conhecida a causa e a espécie.”

Darlene Goehringer, uma outra fazendeira criadora da espécie, explica: “se ninguém quiser comê-lo, por que alguém os manteria?”

O porco casco de burro leva este nome por causa de seu casco que se assemelha ao de um burro. A espécie, de fato, ganhou um teste cego de sabor conduzido pela Grit, um blog de ruralistas americanos, em que um grupo de “mais de 90 profissionais da comida, chefs, escritores especializados e conhecedores de comida” decidiram que a espécie é a mais gostosa.

Jeannette Beranger, o diretor do programa Livestock Conservancy, disse que é importante salvar os porcos casco de burro, pois eles contam com qualidades não encontradas nos porcos comerciais. Se a espécie rara for extinta, os cientistas vão perder a habilidade de replicar suas características genéticas.

[Associated Press]

Todas as fotos por AP