A BlackBerry aposta alto na segurança do seu software, então é de se esperar que um smartphone ultra-criptografado de US$ 2.000 seja garantia de privacidade. De acordo com a polícia holandesa, não é.

Em um post publicado no blog holandês misdaadniews.com, confirmado pelo Motherboard, o Instituto Forense da Holanda (NFI) alega ter quebrado uma série de emails criptografados guardados em Blackberries modificados pela empresa canadense Phantom Secure.

A empresa afirma oferecer um “serviço topo de linha de comunicação projetado para executivos sofisticados e exclusivos,” mas a realidade é um pouco diferente. De acordo com documentos vazados, a NFI conseguiu puxar 325 emails de um dispositivo, e quebrar a criptografia de 279 deles.

A técnica parece só funcionar quando autoridades têm acesso físico ao dispositivo, então dificilmente será a solução para o problema de criptografia que políticos adoram discutir. Mas é um bom lembrete de que nada – nem mesmo dispositivos especiais hiper-seguros – está totalmente protegido das mãos das leis holandesas.

[Motherboard]