O Waze possui um recurso que mostra se há policiais por perto. Você pode colocar um alerta no mapa caso encontre uma blitz ou algo do tipo. Mas a polícia de Miami está subvertendo o app, enchendo-o com uma quantidade enorme de alertas falsos.

Segundo a NBC Miami, centenas de policiais locais estão enviando alertas de polícia falsos, junto a avisos imprecisos de radar, com o objetivo de tornar o app menos útil.

Não é difícil imaginar que outros departamentos de polícia nos EUA estariam fazendo isso também: o Waze é fácil de ser usado tanto por motoristas como por policiais.

A tensão entre Waze e polícia é mais profunda do que evitar multas de trânsito. Recentemente, alguns xerifes pediram ao Google – dono do app – que desative o recurso de rastreamento policial, pois ele poderia teoricamente ser usado para “perseguir” a polícia.

Eles foram motivados por uma imagem do Waze postada no Instagram por Ismaaiyl Brinsley, que em dezembro matou dois policiais em Nova York e depois se suicidou.

Mas isso é absurdo: como explicamos antes, o app é impreciso ao rastreá-los: quando alguém vê policiais, pode avisar no app; mas se eles forem embora, a informação não é mais precisa.

Se alguma pessoa enlouquecida quiser matar policiais, ela não terá qualquer dificuldade em fazer isso sem a ajuda de um app de trânsito. (Investigadores não acreditam que Brinsley usou o Waze para o ataque, porque deixou o celular a 3 km de distância.)

Desenvolvedores do Waze dizem que saber se há policiais nas proximidades provavelmente só faz as pessoas dirigirem com mais cuidado. Ou seja, o app provavelmente está prejudicando a capacidade da polícia em emitir multas – e arrecadar dinheiro – porque mostra aos usuários quais pontos evitar. Se os policiais não baterem a meta, precisam responder a supervisores bem irritados – e ninguém quer ouvir esporro do chefe. [NBC 6 Miami via Autoblog via TechDirt]

Imagem por Waze