As mudanças climáticas e a desigualdade global estão profundamente interligadas. A crise climática afeta desproporcionalmente as pessoas pobres que estão mais expostas a eventos extremos e correm o risco de perder tudo em caso de desastres.

Um novo estudo publicado na Nature Communications na terça-feira mostra por que enfrentar os dois problemas juntos é uma tarefa obrigatória. Não fazer isso pode acabar significando que as políticas para lidar com as mudanças climáticas sobrecarregam os pobres e empurram as pessoas ainda mais para a pobreza.

No momento, 1,89 bilhão de pessoas vivem em extrema pobreza, de acordo com o padrão estabelecido pelas Nações Unidas de viver com menos de US$ 1,90 por dia. Para ver que efeito a ação climática internacional poderia ter sobre a pobreza global, os autores modelaram os impactos econômicos de certas abordagens políticas. Eles basearam seus experimentos nos “caminhos socioeconômicos compartilhados” ou SSPs (sigla em inglês) que os modeladores do clima criaram no início da década de 2010 e que ilustram como a sociedade, a demografia e a economia globais podem mudar no próximo século.

Os autores primeiro modelaram o curso que a desigualdade global tomará sem quaisquer políticas novas e ousadas de mitigação do clima. As descobertas mostram que sob o SSP2, que se refere a um “caminho do meio” onde as tendências socioeconômicas continuam, 350 milhões de pessoas ainda viverão com menos de US$ 1,90 por dia até 2030. Isso significa que o mundo não cumprirá a meta da ONU de erradicar a pobreza extrema em 2030. E essa provavelmente é uma estimativa conservadora, porque não leva em consideração os efeitos exacerbantes das mudanças climáticas ou da Covid-19, que colocaram um maior estresse econômico em populações em dificuldades.

Os autores, então, analisaram como um imposto estrito sobre o carbono — que atenderia à meta do Acordo de Paris de manter o aquecimento global dentro de 1,5ºC das temperaturas pré-industriais — funcionaria nesse cenário. Eles descobriram que, se todos no mundo tivessem que pagar o mesmo preço pelas emissões, mais 50 milhões de pessoas viveriam em extrema pobreza até o final da década, elevando o número total para 400 milhões.

Em seguida, os pesquisadores analisaram o que aconteceria se todas as nações tivessem acesso às receitas internas fornecidas pelo preço do carbono. Eles descobriram que isso poderia compensar os “efeitos colaterais negativos da política climática na erradicação da pobreza” e até mesmo reduzir o número de pessoas que vivem em extrema pobreza em 6 milhões. Mas mesmo essa redistribuição progressiva não seria suficiente para compensar os efeitos colaterais das políticas na maioria dos países nas partes mais pobres do mundo. Nos países da África Subsaariana, que é a região onde a pobreza extrema já é mais prevalente, os países ainda estariam operando com prejuízo.

Felizmente, os pesquisadores descobriram que há uma maneira de aliviar isso: dividir o fardo da precificação do carbono de forma equitativa em vez de uniforme.

“Para compartilhar os custos da mitigação das mudanças climáticas de forma justa, os países industrializados devem compensar financeiramente os países em desenvolvimento”, disse Nico Bauer, que trabalha com modelos climáticos no Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático e foi coautor do estudo, em um comunicado.

Os autores analisaram o efeito de emparelhar um imposto sobre o carbono com um mecanismo internacional de financiamento do clima, pelo qual as receitas dos preços do carbono eram coletadas globalmente e redistribuídas de forma equitativa. Ao transferir apenas 5% do dinheiro que os setores de energia das nações industrializadas tiveram que pagar para poluir, os autores descobriram que um organismo internacional poderia arrecadar cerca de US$ 100 bilhões por ano para distribuir aos países pobres, além de suas receitas internas. Isso poderia levar a uma redução líquida da pobreza global em cerca de 45 milhões de pessoas em 2030.

“A redução da pobreza, portanto, precisa ser incluída no desenho das políticas climáticas”, disse Bjoern Soergel, pesquisador do Instituto de Pesquisa de Impacto Climático de Potsdam e principal autor do estudo, em um comunicado.

Assine a newsletter do Gizmodo

Essa não é uma política climática particularmente radical. Como os autores observam, esse nível de financiamento climático “reflete o compromisso dos países industrializados” durante as negociações em torno do Acordo Climático de Paris de 2015. Em um mundo justo, as nações industrializadas deveriam contribuir ainda mais. Um relatório recente, por exemplo, sugeriu que os EUA deveriam contribuir com trilhões para o financiamento internacional do clima, já que é de longe o maior emissor histórico de carbono. Mas a estratégia que os autores modelaram ilustra como a justiça climática depende da equidade econômica.

“Combinar a redistribuição nacional de receitas de preços de emissão com transferências financeiras internacionais poderia, portanto, fornecer um ponto de entrada importante para uma política climática justa nos países em desenvolvimento”, disse Elmar Kriegler, chefe do departamento de pesquisa do “Transformation Pathways” do Instituto Potsdam for Climate Impact Research e coautor do estudo. “E não para por aí: precisamos olhar para além de 2030 e continuar a trabalhar para a erradicação da pobreza extrema.”