Paleontólogos do Museu Americano de História Natural e da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, revelaram o que parece ser o ancestral direto dos polvos mais antigo já encontrado. O fóssil, que data de 328 milhões de anos, não chamou atenção apenas pela idade. O espécime possuía ainda dez tentáculos, dois a mais do que os animais modernos carregam. 

O polvo foi encontrado na formação de calcário Bear Gulch, em Montana, nos Estados Unidos. O fóssil de 12 centímetros estava muito bem preservado, com ventosas ainda presas em seus tentáculos. O estudo completo foi publicado na revista científica Nature Communications.

O animal foi classificado como o mais antigo vampiropode conhecido, grupo ao qual pertencem os polvos modernos e lulas fantasmas. O comum é que eles tenham quatro pares de tentáculos repletos de ventosas, uma concha interna feita de quitina e um corpo molenga.

Mas o novo polvo tinha um par de braços extra mais comprido. Cientistas sugerem que as estruturas mais longas tenham sido usadas para capturar presas menores com mais facilidade. O bicho também tinha barbatanas, que provavelmente ajudavam a manter sua estabilidade e auxiliavam na hora de nadar. Seu corpo era em formato de torpedo. 

O animal foi atribuído a um novo gênero e espécie, recebendo o nome de Syllipsimopodi bideni. A primeira parte deriva da palavra grega “syllípsimos” para “preênsil” e “pódi” para “pé” – referência ao fato deste ser o cefalópode mais antigo conhecido a desenvolver ventosas. 

Bideni, por sua vez, tem conotação política. O nome é uma homenagem ao presidente americano Joe Biden, que havia acabado de assumir o poder quando a espécie foi classificada.