Tem gente na China que usa Android e está pagando para fingir que usa um iPhone. Não só eles desembolsam US$1 por mês, como fornecem seu login e senha da rede QQ, a maior ferramenta de mensagem instantânea do mundo, arriscando sua privacidade. Mas por que eles fazem isso?

Porque eles não conseguem comprar um iPhone, símbolo de status na China. Ele é caro e sempre foi vendido no pré-pago a preço cheio (por cerca de US$800). Só recentemente o iPhone começou a ser subsidiado no pós-pago.

Um dos “hackers” que vendem o serviço diz: “o iPhone é caro demais e nós não queremos gastar todo esse dinheiro apenas para impressionar os amigos”. Outro vendedor diz: “O iPhone é muito caro. Se você não quer gastar tanto dinheiro, então minta!”

De acordo com o site de tecnologia Penn Olson, especializado em Ásia, o serviço está disponível “apenas para usuários de Android”. Ele explica que o usuário fornece login e senha para o “hacker” e ele altera seu avatar para incluir a imagem do iPhone, além de modificar algumas configurações. Depois, ele lhe envia uma versão modificada do app QQ for Android, que muda a identificação de “Android” para “iPhone”, como você vê na imagem acima.

A rede QQ é popular “entre consumidores mais jovens, com menor poder aquisitivo e menor instrução”, segundo o Financial Times. O jornal também lembra que, além do óbvio risco de privacidade, os logins do QQ também são bastante visados por criminosos virtuais: quem joga online pode comprar créditos associados ao número QQ. [Penn Olson e FT via The Next Web]