Na virada de domingo (15) para segunda-feira (16), será possível acompanhar do Brasil a chamada Lua de Sangue. Na data, o satélite deve passar pela sombra da Terra, atingindo uma coloração avermelhada que faz jus ao nome. 

O evento nada mais é do que um eclipse lunar total combinado à chamada superlua. O primeiro representa o alinhamento perfeito entre Sol, Terra e Lua, enquanto o segundo ocorre quando o satélite está em sua fase cheia e no ponto mais próximo do planeta –conhecido como perigeu. 

Já a coloração avermelhada é resultado dos próprios raios solares. Basta lembrar que o brilho da Lua é consequência do reflexo da luz do Sol que atinge a atmosfera terrestre. Porém, quando há essa proximidade entre planeta e satélite (superlua), apenas as cores de baixa frequência, como o vermelho, acabam se destacando. 

A intensidade do vermelho depende de alguns fatores, como a quantidade de poluição, cobertura de nuvens ou detritos existentes na atmosfera. Como explicou o Space.com, website de notícias sobre o espaço e astronomia, a erupção de um vulcão em uma data próxima ao evento, por exemplo, pode tornar a coloração do satélite mais escura. 

A Lua de Sangue será visível em partes da América, Antártica, Europa, África e Pacífico Leste. No Brasil, seu ápice está marcado para ocorrer à 1h11 (horário de Brasília). Caso as condições climáticas não sejam favoráveis para a observação do fenômeno, vale acompanhá-lo online pela transmissão da NASA.