Junto com as perguntas sobre como a arma do Duck Hunt funcionava, uma das questões que nós mais recebemos é por que pisar numa pecinha de lego machuca tanto. Então, é hora de responder. Como você deve saber, pisar num tijolinho desses aí da foto é quase como receber uma facada com veneno de vespa bem no pé. De fato, é um perigo inerente a ter uma criança existindo em sua casa.

Nós não sabemos quem foi a primeira pessoa a pisar num bloquinho de Lego e amaldiçoar Kirk Kristiansen por “pegar emprestada” a ideia das pecinhas dos “tijolos de construção auto-travantes Kiddicraft”. Mesmo assim, nós conseguimos responder a pergunta sobre por que pisar num desses negocinhos dói muito mais do que passar por cima de outros itens comuns da sua casa. A resposta está parcialmente em como nossos pés são sensíveis a pressão, dor e a praticamente tudo.

As solas dos nossos pés são uma das áreas mais sensíveis do corpo humano, junto com coisas como lábios, genitais, olhos e mãos, em termos de quão suscetíveis a dor e ao toque todas elas são. Se você está se perguntando por que nossos pés precisam ser tão sensíveis, é porque estão constantemente trabalhando para manter o nosso equilíbrio, e a informação dos nervos deles são vitais para permitir que o cérebro se ajuste e evite que nos esborrachemos no chão.

Mas por que a queixa maior é contra o Lego e não contra outros itens? Quer dizer, pisar em qualquer coisa dura e pontiaguda vai doer, então por que só as pecinhas parecem ser mencionadas tão frequentemente? Bem, de acordo com a Lego, são tantos os bloquinhos espalhados pelo mundo que cada ser humano poderia ter 83 deles. Então, é bem provável que você acabe entrando em contato com algum deles e, ao contrário de outros objetos cortantes, as pessoas não se preocupam em tirá-los do chão; geralmente as crianças brincam ali mesmo. Tão importante quanto isso é o fato de que, ao contrário de outros objetos, um tijolinho de Lego pode suportar 4.240 Newtons de força antes de deformar.

Isto que dizer que cada coisinha dessas aguenta até 432 kg antes de atingir o ponto de quebrar. Então, quando você pisa sobre uma pecinha numa superfície relativamente sólida, não tem para onde a força que você exerceu ir a não ser de volta para seu pé e para o monte de nervos que ele possui. Isto é agravado pelo fato de que os bloquinhos têm pequenas saliências e cantos relativamente cortantes, e as solas do seus pés estão sujeitas a forças que podem ser iguais a cerca de nove vezes o peso do seu corpo quando você se move — mesmo andar lentamente pode produzir impactos iguais ao dobro do seu peso.

Por exemplo, um tijolinho 2×2 tem uma área de superfície de aproximadamente 2,25 cm² (por questão de simplificação, desprezaremos os pinos, que com certeza não melhoram as coisas para o seu pé). Digamos que uma pessoa de 75 kg (ou 734 Newtons) pise nele.

Agora, lembre-se que a pressão num objeto é dada pela força aplicada dividida pela área pela qual ela se espalha (P = F/A). Então, mesmo que a pessoa se apoie no Lego com um pé só, ao invés de estar com a perna acelerando para baixo como ocorre numa caminhada, isto nos dá 734 N/0,000225 m² = cerca de 3.262.222 pascais de pressão! Como parâmetro, isto é quase 32 vezes a pressão atmosférica, aplicada de uma vez só contra uma das mais sensíveis regiões do corpo.

Claro, parte do resto do seu pé vai ajudar a suportar um pouco dele no chão, retirando um pouco da pressão. Por outro lado, seu pé estará exercendo uma força muito maior que só seu peso, piorando bastante as coisas (como mencionamos, mesmo andando devagar, a força de impacto pode chegar facilmente ao dobro do seu peso, e isso só piora se você estiver andando rapidamente). Todos estes cálculos são aproximações grosseiras, mas demonstram bem como pisar num negocinho desses pode gerar uma força relativamente grande na área de contato.

Então, respondendo à questão, a razão pela qual pisar numa pecinha de Lego dói tanto é a combinação de quão sensíveis são os nervos dos nossos pés, quanta força nossos pés exercem no chão ao andarmos, e o fato de os tijolinhos serem extremamente rígidos e, de certa maneira, pontiagudos, além de pequenos, o que faz com que a força seja concentrada numa pequena área de seu pé. Que Deus proteja sua alma caso você pise numa pecinha de Lego num chão duro e não num tapete. Ai.

Bônus:

  • No fim dos anos 1940, uma empresa chamada Kiddicraft começou a fabricar os “tijolos de construção auto-travantes Kiddicraft”, que foram patenteados por Hilary “Harry” Fisher Page. Kirk Kristiansen, o fundador da Lego®, cruzou com estes tijolinhos numa demonstração de uma máquina de moldagem por injeção. Ele, então, copiou as pecinhas e vendeu versões dela com sua própria marca, como “tijolos de junção automática”. Não foi esclarecido até hoje se Kristiansen sabia que os tijolos eram patenteados ou não, na época ou apenas viu potencial num tijolinho de plástico como brinquedo para crianças durante a demonstração. Para a sorte dele, Page morreu sem saber que a Lego® tinha copiado e estava vendendo ilegalmente uma versão do produto da Kiddicraft. Depois de quase 31 anos, a Lego® comprou a Kiddicraft enquanto se preparava para, ironicamente, processar a Tyco por copiar ilegalmente as pecinhas de Lego; por isso, para aumentar as chances de vencer, eles precisavam possuir a Kiddicraft e a patente original. No fim, eles perderam o caso e a Tyco continuou vendendo o produto, que gerava, na época, uma receita anual de US$20 milhões. Os US$3 milhões gastos pela Tyco na batalha legal acabaram valendo a pena.

Karl Smallwood escreve para o popular site de fatos interessantes TodayIFoundOut.com. Para assinar a newsletter Daily Knowledge, clique aqui ou curta a página dele no Facebook.

Imagem de destaque por Jeremy Page em licença Creative Commons.