A discussão surgiu depois que Silvio, respeitado pesquisador brasileiro em engenharia de software e colunista do Terra, afirmou em entrevista que o programador é a profissão do futuro: "Se você imaginar que conseguirá sobreviver sem saber programar em um mundo totalmente programável, está sendo basicamente levado pelos acontecimentos", diz ele.

Mas como é que a profissão do futuro já está sendo tão mal-remunerada hoje? Silvio explica:

a maior parte do software sendo escrito no planeta, hoje, é irrelevante… este software “commodity” e completamente desnecessário [em seu estado atual] tende [e pode] a ser desenvolvido por competências muito abaixo do que um graduado em computação tem ou deveria ter… como não há [por incompetência do setor educacional] técnicos em software, isso é feito por graduados que recebem a remuneração de… técnicos.

Ou seja, quem é formado em ciência da computação, engenharia de software e afins está realizando um trabalho que na real não precisa de um diploma, exige apenas nível técnico – então eles ganham como um profissional de nível técnico. Se saber programar não é um grande diferencial, pensa Silvio, não há porque ser pago a mais por isto.

Então o que pode garantir um salário maior para os programadores? Você terá que ler o texto do Silvio e os comentários para saber – sério, vale muito a pena.

Você, programador/desenvolvedor, o que acha? Os salários no Brasil são mesmo tão baixos assim? Os argumentos do Silvio explicam toda a situação? A seção de comentários é toda sua. [Silvio Meira; imagem via]