Joshua Brown foi apenas uma das mais de 37.000 pessoas que morreram em acidentes de carro nos EUA no ano – mas sua morte continua estampando manchetes. Brown tornou-se a primeira pessoa morta por um veículo autônomo quando o Tesla Model S colidiu com um caminhão enquanto estava no modo de piloto automático, e sua batida iniciou um debate sobre os riscos e benefícios de permitir carros de auto-condução na estrada.

As pessoas estão apavoradas em dividir as estradas com carros de autônomos, particularmente quando esses carros falham (sem contar a possibilidade deles serem hackeados). Mas, de acordo com uma nova pesquisa da RAND Corporation’s Science que esperar que carros que se auto-dirigem cheguem à perfeição antes de permitir que eles andem em vias públicas levará a mais mortes em geral no longo prazo. Permitir que veículos autônomos andem nas estradas assim que eles estiverem bons bons, se não perfeitos, pode salvar mais vidas no final das contas, descobriram os pesquisadores. Basicamente eles chegaram a conclusão que um robô que funciona bem é menos pior do que um motorista humano distraído ou embriagado.

Mas como é que vamos decidir quando os carros que dirigem sozinhos são bons o suficiente?

“Há duas perguntas que precisamos responder: Quão seguros eles precisam ser? E como vamos saber?” Nidhi Kalra, uma cientista da informação sênior da RAND, explicou. De acordo com sua pesquisa, carros que dirigem sozinhos precisam ser um pouco mais seguros do que o motorista humano médio, para salvar centenas de milhares de vidas.

Na pesquisa, Kalra e o pesquisador de política sênior do RAND, David Groves, fizeram modelos de vários possíveis futuros – um em que os carros que dirigem sozinhos são apenas 10% mais seguro do que os motoristas humanos, um no qual eles são 75% mais seguro e um no qual eles são 90% mais seguros. Eles chegaram a 500 cenários diferentes para ajudar a modelar esses futuros, considerando diferentes formas que a tecnologia pode se desenvolver ao longo do tempo.

Acontece que ser apenas um pouco menos perigoso do que os seres humanos compensa ao longo do tempo, concluíram. Após 15 anos, milhares de vidas seriam salvas, e depois de 30 anos, o número iria crescer para centenas de milhares.

Kalra e Groves também acreditam que veículos autônomos vão se tornar mais seguros conforme forem implantados, melhorando suas atividades com a experiência no mundo real. No momento, os carros de auto-condução são utilizados em pequenas frotas de testes e dirigem milhões de quilômetros em simulação de computador. “Os simuladores são um componente do desenvolvimento, mas eles não estão em um ponto onde poderíamos usá-los para provar a segurança ou demonstrar uma alta confiança na segurança. Eles têm o seu lugar, mas eles não são substitutos para o mundo real de condução”, disse Kalra. “Você teria que ser muito otimista com os simuladores para pensar que podemos simular o nosso caminho até a perfeição”.

Mas dado o medo que temos dos carros de auto-condução, deixar eles irem para a estrada quando ainda estão propenso a falhas é uma realidade difícil de aceitar.

“Nosso principal objetivo aqui é ajudar a informar o debate com uma análise objetiva. Nós pensamos que neste assunto em particular, é realmente necessário um olhar objetivo sobre as fatalidades porque há muita preocupação sobre o quão seguros estes carros precisam ser”, disse Groves. “Não podemos encontrar um cenário onde esperar pela perfeição de veículos autônomos seja a coisa inteligente a se fazer para salvar mais vidas”.

Imagem de topo: Getty