Em outubro do ano passado, a Amazon apresentou a nova versão do Kindle Paperwhite nos Estados Unidos. Nesta quinta-feira (7), a varejista passa também a vender no mercado brasileiro o seu leitor digital, que traz boas adições para quem ainda não tem um dispositivo ou está com o leitor danificado.

[produto_amazon1]

[produto_amazon2]

O novo aparelho será disponibilizado em duas versões: 8 GB (R$ 499 à vista ou até 12 vezes sem juros) e 32 GB (R$ 649 à vista ou até 12 vezes sem juros). Já o Paperwhite antigo vai sair de linha.

Diferente de outros modelos, eles só estarão disponíveis com conexão Wi-Fi. “Percebemos que as pessoas não reconheciam o valor das opções com 3G, e a disponibilidade de Wi-Fi é muito grande. Além disso, observamos que o modelo anterior que tinha 3G não teve uma aceitação tão legal”, disse Jacques Benain, gerente-geral de Dispositivos Amazon para o Brasil, em encontro com jornalistas Em alguns países, como os EUA, ainda é comum achar opções com 3G.

O que o Paperwhite tem de novo?

De cara, o novo Kindle é mais fino. Sua tela continua com 6 polegadas, só que agora feita de um material mais resistente, o que deve ajudar bastante para quem não tem capinha e carrega o leitor na mochila. Além disso, diferente do seu antecessor, as bordas não são tão sobressalentes: elas ficam bem alinhadas com a tela.

Ainda sobre o display, a Amazon diz que este modelo conta com cinco fontes de luz contra quatro do dispositivo anterior. Na prática, isso ajuda o display a ficar 10% mais claro e a proporcionar uma leitura mais confortável.

Porta microUSB do novo Kindle Paperwhite

O microUSB continua aqui. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Outra conveniência adicionada ao Paperwhite é o fato de ele ser à prova d’água com certificação IPX8 — na prática, ele pode ficar por até 60 minutos em uma profundidade de até 2 metros. É lógico que você não vai querer ler enquanto pratica apneia, mas pode ser um bom recurso (um pouco esquisito, diga-se de passagem) para se ler na piscina durante o calor.

Já falamos que o modelo é só Wi-Fi, mas ele também tem conectividade Bluetooth, que serve para conectar um fone de ouvido e ouvir audiolivros com o serviço Audible. No fundo, isso só será útil para usuários que tenham conta de algum país que tenha o Audible (como os EUA) para ter acesso a esse tipo de áudio. Não existe previsão para o serviço ser disponibilizado no Brasil, embora a Amazon já há um tempo tenha aberto vagas de emprego para a plataforma por aqui.

Kindle Paperwhite ao lado de capas coloridas

A Amazon diz que a nova tela do Paperwhite é 10% mais clara graças a um quinto LED. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Do ponto de vista de interface, o novo Kindle Paperwhite mostra recomendações de livros logo na tela inicial. Estão disponíveis ainda novas fontes, dicas de vocabulário e perfis personalizados. Esta última opção pode ser interessante para quem divide o aparelho com outras pessoas.

Para quem for comprar o novo dispositivo, a Amazon oferece três meses do serviço Kindle Unlimited, uma espécie de Netflix em que o usuário paga uma quantia mensal para poder ler quantos livros puder/quiser. A título de curiosidade, a assinatura do Unlimited é R$ 19,90 por mês.

De modo geral, como falei no início do texto, este é um dispositivo para quem ainda não entrou no ramo de livros eletrônicos ou está com um Kindle antigo destruído. Ele traz boas adições, mas nada imprescindível — a não ser que você queira ler dentro de uma piscina. O negócio da Amazon, no fim das contas, é vender livro. Quanto à mídia que você for usar, fica por sua conta e gosto.

O Gizmodo Brasil pode ganhar comissão sobre as vendas. Os preços são obtidos automaticamente por meio de uma API e podem estar defasados em relação à Amazon.