O estudante de arquitetura Viktor Ramos teve uma brilhante ideia que pode ser a chave para o Nó Górdio Israel-Palestina: em vez de construir túneis ou muralhas implacáveis, que sejam criadas pontes habitáveis para que os dois Estados possam viver juntos e sobrepostos.

Poderia a arquitetura fazer com que Israel e Palestina coexistam juntos em paz? Parece uma proposta meio absurda, mas com os recursos adequados, talvez seja a única maneira dos dois países viverem juntos: um em cima do outro, literalmente.

O conceito do Viktor é simples, mas absolutamente genial: criar uma ponte entre os territórios israelense e palestino com grandes estruturas capazes de sustentar vida, abrigar pessoas e permitir o livre trânsito de pessoas, animais e mercadorias. Os dois países teriam pontes sobre o solo do país vizinho, assim ninguém ficaria isolado, nem sempre por cima ou sempre por baixo, além de não haver necessidade de populações inteiras terem que atravessar os territórios do outro país.

Obviamente, isto é um projeto enorme, mas se for estruturalmente possível – e, considerando o estado atual da engenharia, parece que é – ele traz uma nova maneira de olhar a geografia dos dois países, eliminando muitas das demandas e provendo as necessidades das populações dos dois Estados. Não vai solucionar outros problemas, mas pelo menos soluciona boa parte deles. [Bldgblog]