A fotossíntese não nasce só em árvore: ela pode ser feita em laboratório, como demonstram os gênios do MIT (Massachusetts Institute of Technology), nos EUA. Feitas de silício, materiais eletrônicos e catalisadores, as folhas pegam luz do sol e água para gerar energia que nem as folhas vivas. Melhor, até!

Daniel Nocera, Ph.D., que liderou a equipe de pesquisa, diz que a folha artificial é dez vezes mais eficiente em fazer fotossíntese que uma folha natural. E a folha artificial é feita de materiais com preço acessível e funciona sob condições simples de recriar. Esta não é a primeira folha artificial criada pelo homem – a primeira surgiu há mais de dez anos – mas nenhuma era realmente utilizável no mundo real.

A tecnologia, no entanto, ainda está limitada ao laboratório, para mais aperfeiçoamentos. Mas o potencial é enorme: imagine um telhado coberto de folhas que geram eletricidade com a luz do sol. Sem carvão, sem turbinas, sem reatores nucleares – só folhinhas dividindo e juntando átomos igual a (ou melhor que) uma árvore. Lindo isso. [EurekAlert via PopSci]