Semanas antes da primeira morte por COVID-19 documentada nos EUA, pelo menos duas pessoas na Califórnia provavelmente morreram por causa do vírus. Na terça-feira (21), as autoridades de saúde de Santa Clara, na Califórnia, anunciaram que as mortes de dois residentes no início e em meados de fevereiro estão relacionadas ao novo coronavírus.

Segundo o escritório de medicina legal de Santa Clara, as duas mortes ocorreram nos dias 6 e 17 de fevereiro. Uma terceira morte no município em 6 de março também foi reclassificada como relacionada a COVID-19.



Na época dessas mortes, disseram as autoridades, os testes para coronavírus eram limitados e só estavam disponível através dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que haviam estabelecido critérios rigorosos sobre quem poderia ser testado. Esses critérios incluíam histórico recente de viagens para países onde se sabia que o vírus estava se espalhando amplamente.

No entanto, amostras de tecido dessas mortes foram enviadas ao CDC e, na terça-feira, o escritório do legista recebeu a confirmação de que eles haviam testado positivo para o vírus.

Essas mortes recentemente confirmadas são anteriores à morte que se acreditava ter sido a primeira por COVID-19 nos EUA, relatada no estado de Washington em 29 de fevereiro. Elas também são anteriores à primeira morte registrada até então em Santa Clara, que ocorreu em 9 de março. Essas reclassificaram as mortes não são exatamente uma surpresa, no entanto.

Outra pesquisa sugeriu que o vírus circulava em partes dos EUA muito mais cedo do que os primeiros testes confirmados na época. A análise genética de cepas virais extraídas de casos no estado de Washington, por exemplo, indicou que o vírus estava se espalhando localmente em meados de janeiro.

Esse período faz sentido com a linha do tempo dessas mortes na Califórnia, que também fica na Costa Oeste dos EUA, já que as mortes por vírus costumam levar várias semanas após o aparecimento dos sintomas.

Embora os testes tenham se tornado mais facilmente disponíveis, os especialistas geralmente ainda concordam que muitas mortes relacionadas ao vírus não estão sendo contadas. Uma análise recente do New York Times, por exemplo, estimou que pelo menos 25 mil mortes por COVID-19 não foram relatadas em 10 países e na cidade de Nova York entre o início de março e meados de abril.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, foram registradas 162 mil mortes oficialmente em 21 de abril.

Nova York começou a incluir dados sobre mortes prováveis ​​por COVID-19 não confirmadas por testes de laboratório, enquanto o CDC também disse que coletará e apresentará dados sobre mortes confirmadas e prováveis ​​de estados. Mas não está claro se todos os estados seguiram o exemplo.

As autoridades de Santa Clara acreditam que mais mortes serão retroativamente relacionadas a COVID-19. “Como o escritório de medicina legal continua investigando cuidadosamente as mortes em todo o condado, prevemos que outras mortes por COVID-19 serão identificadas”, informou em comunicado.