A Apple recentemente admitiu que estava deliberadamente limitando a performance de iPhones antigos que rodavam novas versões do sistema operacional, explicando que limitar artificialmente a velocidade destes dispositivos era uma ação necessária para prevenir que antigas baterias de íons de lítio falhassem. Como explicou o TechCrunch, enquanto usuários suspeitavam há um bom tempo que essa lentidão fosse uma maneira da Apple forçar consumidores a comprar um novo e mais caro modelo de iPhone, a empresa diz que tudo foi feito era para melhorar a carga das baterias, prevenindo que os aparelhos desligassem do nada.

O caro iPhone X deve vender menos no ano que vem, preveem analistas
É claro que a Apple foi processada por limitar desempenho de iPhones antigos

Mas, apesar da explicação da Apple fazer sentido, os usuários se irritaram por não serem informados sobre o que acontece com a bateria e nem por que os celulares mais antigos ficam lentos com o tempo – especialmente quando o mais novo iOS está repleto de bugs. E não existe uma maneira clara para saber se os usuários estão de fato sofrendo com este “estrangulamento” da bateria, nem como este problema pode ser resolvido. Aqui te ajudaremos a identificar se o seu aparelho está afetado e o que você pode fazer.

Por que isso acontece?

Enquanto esta controvérsia se refere aos iPhones, baterias ruins não são de maneira alguma uma exclusividade da Apple. Baterias de íons de lítio são um meio-termo, oferecendo carregamento rápido e design compacto ao custo de uma inerente volatilidade e a tendência a rápida deterioração. A maioria das baterias alternativas oferecidas aos fabricantes simplesmente resultariam em um diferente conjunto de problemas, e a próxima geração de baterias não está tão perto do nosso futuro imediato. Como apontou a CNET, foram necessárias décadas para a tecnologia de baterias se ajustarem as novas maneiras que celulares devoram energia.

A Apple diz que suas baterias devem durar por pelo menos 500 ciclos de carga. Neste caso, algumas baterias de iPhone que já foram usadas por cerca de um ano ou mais degradaram a um ponto em que não podem mais fornecer a quantidade necessária de energia durante os picos de uso do CPU, resultando em celulares que desligam sozinhos. A maneira que a Apple encontrou pra solucionar este problema foi limitar a velocidade dos processadores de dispositivos afetados, o que resulta em uma significante lentidão, mas a companhia explica que essa é uma melhor alternativa do que ter um celular que frequentemente desliga sozinho.

Enquanto a solução da Apple é razoável, ela poderia ter abordado o problema de uma forma completamente diferente e sem irritar seus consumidores. Conforme apontou a Wired, a Apple esconde a informação da duração de suas baterias de íons de lítio bem no fundo da documentação dos dispositivos, e ela semelhantemente decidiu não informar os usuários que estava limitando a velocidade de seus dispositivos. A Apple também foi responsável pelo design de corpo único nos celulares, algo que complica a substituição da bateria – em um dispositivo como o meu antigo Samsung Galaxy S5, a substituição da bateria poderia ser feita em menos de 10 segundos retirando a traseira do aparelho. A ideia de poder você mesmo trocar a bateria do seu celular se tornou estranha há pouco tempo.

Como saber se a Apple está limitando meu aparelho?

Image: AP Photo/Kiichiro Sato

Se você notou algo estranho com seu dispositivo, a primeira coisa a fazer é chegar a versão de iOS que ele está rodando. No iPhone 6, 6S e SE, o estrangulamento foi introduzido na versão 10.2.1. O iPhone 7 recebeu o estrangulamento na versão 11.2. Então, caso você tenha estes modelos de aparelho e qualquer versão subsequente a estas atualizações, é possível que seu celular esteja sofrendo com o estrangulamento do processador.

Segundo, você pode baixar um app que avalia a saúde da bateria para saber se a do seu aparelho está degradada. Devido a falta de transparência deste método, ainda não se sabe quão degradada a bateria precisa estar para que o estrangulamento seja ativado. Mas caso os resultados do app concluam que a bateria está ruim, é provável que a Apple esteja limitando a CPU do seu celular.

Por último, Geekbench, a empresa de benchmarking que descobriu que iPhones afetados funcionavam com CPUs mais lentas do que quando saiam da loja, oferece um app de US$ o,99 que pode identificar se seu aparelho está afetado.

Os níveis elevados dos gráficos abaixo mostram um iPhone 6S com lentidão depois de ter sido atualizado do iOS 10.2.0 para o 11.2.0. Pontuações de benchmark abaixo de 2500 para o iPhone 6S e abaixo de 3500 para o iPhone 7 indicam problemas.

Como solucionar o problema?

Bem, não é possível consertar uma bateria de celular degradada. A única solução é substitui-la por completo.

E é aqui que você precisa se decidir entre utilizar o caro serviço oficial da Apple, uma assistência técnica não autorizada ou tentar trocá-la você mesmo.

A Apple não troca baterias degradas de graça mesmo sob garantia ou com o AppleCare+ a não ser que determine que o problema foi resultado de um defeito. Se o celular está funcionando há tempo o bastante para a bateria ter sido gasta por meses, é provável que ela não substituída gratuitamente.

Para saber como trocar a bateria do seu iPhone diretamente com a Apple, entre em contato pelo telefone 0800-761-0867 ou busque soluções na página de suporte oficial da empresa.

Escolher assistências não autorizadas tende a ser uma solução mais barata que trocar diretamente com a Apple, mas a qualidade do reparo pode não ser a mesma.

Trocar a bateria por conta própria é definitivamente o caminho mais barato, mas é recomendado apenas se você estiver confiante o bastante para lidar com as entranhas do iPhone sem quebrar nenhuma peça, e, como a Apple não fornece essas peças, será preciso importar o material necessário de sites como a Amazon ou confiar em e-commerces de procedências duvidosas.

Imagem de topo: LWYang/Flickr