Enquanto nos armamos até os dentes contra o SOPA e o PIPA, o governo iraniano continua monitorando o acesso à internet de sua população. O governo chegou ao extremo ao sentenciar um programador a morte por insultar a santidade do Islã por causa de um software usado em um site pornô.

O jornal Star noticia que o programador Saeed Malekpour foi preso durante uma visita ao Irã em 2008 enquanto visitava seu pai adoecido. Durante a prisão, Malekpour foi forçado a fazer confissões gravadas para a TV estatal — tudo isso após ser torturado.

Eles me fizeram fazer uma falsa confissão da compra de um software da Inglaterra, e que o coloquei para vender em meu site. Eu fui forçado a dizer que quando alguém visitava meu site o software automaticamente se instalava no computador da pessoa sem ela saber, e tomava controle da webcam, mesmo com ela desligada. Apesar de ter argumentado que o que eles sugeriam eram impossível do ponto de vista tecnológico, eles responderam que eu não deveria me preocupar com isso.

O terrível software pornô que ele criou é, na verdade, um software simples de upload de fotos que um site pornô usava sem ele saber. Em junho de 2011, a sentença de Malekpour foi suspenso. Mas após análise da Suprema Corte Iraniana, sua sentença de morte foi reafirmada na última segunda-feira. [The Star via The Next Web]