A Adobe recebeu de braços abertos a edição móvel de fotos, liberando apps robustos como o Lightroom para processamento e melhoria de imagens em um smartphone. Em comparação, os esforços da companhia no que diz respeito à edição de vídeos em ambiente móvel não era dos maiores. Agora, a empresa tem planos de deixar o Premiere Clip de lado em detrimento do Project Rush, uma solução que une partes de Premiere, After Effects e Audition em um único app para profissionais editarem vídeos diretamente de um dispositivo móvel.

A Adobe acha que pode tornar a sua selfie menos tenebrosa com esse misterioso aplicativo
A Adobe ouviu nossas orações e criou um modo para apagar intrusos de fotos em tempo real

Se você não conhece as ferramentas para desktop para edição de vídeo da Adobe, o Premiere Pro é o editor de vídeo; o After Effects é uma ferramenta para efeitos visuais de movimento, enquanto o Audition é um editor de múltiplas faixas para áudio. Eles juntos cobrem todos os ângulos da pós-produção de vídeo, mas, até o momento, só estavam disponíveis para Mac e PCs.

Crédito: Adobe

Lá em 2014, a Adobe apresentou uma versão simplificada do Premiere para dispositivos Android e iOS, chamada de Premier Clip, mas o Project Rush veio para expandir o que os criadores de conteúdo conseguirão produzir a partir de seus dispositivos móveis. No entanto, o Project Rush não será exclusividade de ambientes móveis. Uma versão para desktop também será disponibilizada, além de capacidades da nuvem da Adobe, o que ajudará a salvar os projetos automaticamente e sincronizá-los entre dispositivos, permitindo, por exemplo, que usuários comecem a editar em seus smartphones e possam finalizar em um laptop.

O Project Rush não vai substituir o Premiere, o After Effects ou o Audition. Para ter a interface gráfica replicada entre computadores e dispositivos móveis, as capacidades e a interface do Project Rush foram simplificadas para acomodar telas touchscreen menores. Usuários avançados das ferramentas da Adobe claramente vão sentir falta de algumas funcionalidades do Project Rush, mas, ao mesmo tempo, ele deverá aumentar as possibilidades do que pode ser feito em um aparelho móvel.

Apps de edição de áudio e vídeo estão disponíveis para smartphones e tablets já há algum tempo, então a Adobe não está lançado nada super novo. No entanto, softwares complexos de efeitos visuais, como o After Effects, nunca foram disponibilizados em tais aparelhos.

Durante uma rápida demonstração do Project Rush, não deu para ver se o novo app pegou as capacidades de composição e mascaramento do After Effects, porém, as ferramentas de correção avançadas de cor estavam lá, assim como os modelos de título em movimento que já estão disponíveis no Premiere Pro. Criar títulos com animações personalizadas não parece ser uma opção disponível, embora eu não esteja seguro em tentar fazer isso em um aparelho com tela de seis polegadas.

No que diz respeito ao áudio, o Project Rush conta com o Project Sensei, da Adobe, que é o software de automação da empresa que funciona com auxílio de inteligência artificial. Em vez de processar cada parte do áudio, o Project Sensei irá automaticamente mixar e masterizar os níveis de som para o usuário automaticamente, o que tem sido um método cada vez mais comum em produtos da Adobe.

Completando o foco do Project Rush na produção de vídeo móvel, a solução conta ainda com a capacidade de publicar ou compartilhar o vídeo em múltiplas plataformas, como YouTube, Facebook e Snapchat, diretamente do app. Isso inclui a habilidade de personalizar thumbnails, o título, a descrição do vídeo e até agendamento do vídeo, caso você termine algo no meio da noite e não queira que sua obra de arte seja exposta na internet antes que você esteja acordado.

Ao subir o vídeo com o Project Rush, dá para já incluir tags e definir horário. Crédito: Adobe

A Adobe não divulgou um tempo específico para disponibilização do Project Rush para download. A companhia só disse que estará disponível “mais tarde neste ano”. Porém, a companhia deve mostrar ainda mais detalhes do novo app durante a conferência VidCon 2018, realizada em Anaheim, na Califórnia, nesta semana.

[Adobe]