A aclamada empresa de arquitetura Foster + Partners apresentou imagens com planos para um assentamento impresso em 3D que poderia ser construído em Marte.

Os designs foram selecionados como os finalistas do 3D Printed Habitat Challenge, organizado pela America Makes e NASA. Eles descrevem uma base de 93 m² que seria construída a partir de regolito – as rochas e o solo solto encontrados na superfície de Marte.

O conceito da empresa envolveria a chegada de robôs semiautomáticos antes do pouso de astronautas no planeta. Esses robôs seriam usados para cavar uma cratera de 1,5 metro de profundidade, onde uma segunda entrega de módulos infláveis seria instalada.

Quando os módulos infláveis estiverem no lugar, uma série de pequenos robôs vai mover o solo marciano para cobri-los, construindo o material camada a camada. A cada uma dessas fases, uma série de robôs “fundidores” usaria micro-ondas para fundir o material – uma espécie de impressão 3D em larga escala.

As estruturas finalizadas poderiam, segundo a Foster + Partners, oferecer um “escudo permanente que protege a colônia da radiação excessiva e das temperaturas extremas”.

Dentro da construção de 93 m² ficariam diversos espaços comunitários e privados, “finalizados com materiais ‘suaves’ e ambientes virtuais avançados, o que ajudaria a reduzir os efeitos adversos da monotonia, ao mesmo tempo que criaria um ambiente positivo para os astronautas viverem.”

Essa não é a primeira vez que a Foster + Partners mostra interesse na construção de bases em locais distantes. No ano passado, eles revelaram planos de se juntar à Agência Espacial Europeia para construir uma base lunar.

Talvez a gente nunca consiga construir uma base em Marte, e muito menos algo que se pareça com isso. Mas o exercício de pensar em como fazer pode ajudar a inspirar diversos projetos futuros – nesse e em outros planetas. [Foster + Partners via Dezeen]