O que camisetas cafonas, bandas emo dos anos 2000 e romances realistas que descrevem maravilhosamente o colapso de casamentos têm em comum?

Simplesmente esta afirmação: A vida é uma merda. E ela é uma merda, sem dúvida, mesmo para o mais feliz e/ou mais ricos entre nós, ninguém é imune a desgostos, hemorróidas ou ser impiedosamente ridicularizado online.

Ainda assim, em certos momentos do desfile de humilhação e decadência física da vida, quase todos nós sentimos um desejo — às vezes passageiro, às vezes duradouro — de que ela nunca termine realmente. O impulso de viver para sempre impulsionando todo tipo de loucuras nos cantos mais extremos do mundo da tecnologia; mas será que os nerds realmente se interessam por esse caso? Quais são as nossas chances reais, hoje em dia, de viver para sempre? Para o Giz Pergunta desta semana, conversamos com vários especialistas para descobrir.

Alice Parker

Professora de Engenharia Elétrica e de Computação da Universidade do Sul da Califórnia, cujas pesquisas se concentram na engenharia reversa do cérebro humano, entre outras coisas.

Você poderia fazer o upload do seu cérebro para a internet ou para a nuvem e preservá-lo para sempre? Provavelmente não. Os funcionamentos são tão complexos em termos de como cada neurônio responde — depende de muitos fatores diferentes e não fica claro de momento a momento se eles respondem da mesma maneira, mesmo no mesmo indivíduo. Tem muitas coisas acontecendo e elas variam muito. Algumas pessoas acham que é caótico, outras acham que é mais parecido com a teoria das probabilidades ou com um rolar de dados, mas tudo se comporta de maneira um pouco diferente toda vez que você passa por uma decisão. Toda vez que você acessa uma memória antiga, você a reescreve de uma maneira ligeiramente diferente. É tudo muito complexo, e muito misturado com todas as coisas acontecendo em qualquer momento. Parece não ser viável com a tecnologia atual, ou mesmo com a nanotecnologia que estamos desenvolvendo a curto prazo. Não estamos perto de conseguir armazenar o que acontece no cérebro.

Se entendêssemos completamente a bioquímica do cérebro poderíamos subir o cérebro inteiro – não apenas o que estamos vendo superficialmente, mas a bioquímica de como as interações ocorrem – é possível que pudéssemos armazenar esse cérebro e talvez prever como ele mudaria com o tempo. Mas não entendemos a bioquímica do cérebro com detalhes suficientes para poder armazená-la, porque toda vez que achamos que a compreendemos, surge algo novo. Achamos que entendemos o DNA do cérebro, mas a epigenética afeta como o DNA é realmente expresso e isso complica as coisas. A epigenética é um campo emergente, mas a biologia ainda não chegou lá, e a neurociência ainda não chegou lá.

Dito isto, o entendimento está aumentando a cada dia – é como beber água de uma mangueira de incêndio. A quantidade de conhecimento que provém da neurociência é impressionante. Eventualmente, poderemos pelo menos aproximar o que está acontecendo no cérebro em um primeiro nível — então, se observarmos alguém com a personalidade muito positiva, extrovertida e otimista, poderemos capturar isso em um cérebro artificial até certo ponto. Mas não será a pessoa — será apenas um pedacinho de quem ela é.

O que está acontecendo na corrente sanguínea, nos hormônios e nas proteínas afeta o que está acontecendo no cérebro, o que também dificulta as coisas. A relação cérebro-corpo é um sistema complexo, e ser capaz de duplicar isso não parece provável a curto prazo.

Talvez dentro de quatro a cinco décadas possamos conseguir algo que possa se comportar como um cérebro humano, mas não seria como uma pessoa que conhecemos – não poderia capturar as sutilezas, as nuances de como o cérebro de um indivíduo está estruturado, e o cérebro de todo mundo é diferente.

Mas é a o campo final da ciência. Quando eu era criança, na década de 60, o espaço sideral era a fronteira final – agora é o cérebro.

“Talvez dentro de quatro a cinco décadas possamos conseguir algo que possa se comportar como um cérebro humano, mas não seria como uma pessoa que conhecemos – não poderia capturar as sutilezas, as nuances de como o cérebro de um indivíduo está estruturado e o cérebro de todo mundo é diferente”.

Lindsay Wu

Pesquisador sênior e co-chefe do Laboratório de Pesquisa sobre o Envelhecimento da Universidade de New South Wales, Sydney

Você não viverá para sempre. A morte é inevitável. Aceite isso e você se encontrará vivendo a melhor vida possível. A melhor opção, se você quiser viver mais e com mais saúde, sua melhor chance é limitar a ingestão de calorias e, em particular, reduzir a ingestão de proteínas, fazer exercícios moderados regulares, ter um padrão de sono regular, manter-se intelectualmente ativo e manter contato social. Enquanto isso, há todo um ramo da ciência dedicado a encontrar maneiras de manter a saúde na velhice, inclusive por meio de novos medicamentos; no entanto, por enquanto, eles apenas irão, na melhor das hipóteses, imitar os benefícios dessas mudanças no estilo de vida.

“Você não viverá para sempre. A morte é inevitável. Aceite isso e você se encontrará vivendo a melhor vida possível”.

David Sinclair

Professor de Genética e co-diretor do Centro Paul F. Glenn de Biologia do Envelhecimento da Harvard Medical School, cuja pesquisa se concentra em por que envelhecemos e como retardar esses efeitos

Nossa melhor chance de imortalidade é a reprogramação celular para resetar a idade do corpo repetidamente. Isso provavelmente envolveria o desencadeamento de uma combinação dos genes que permitem que as células se tornem células-tronco pluripotentes, os chamados “fatores Yamanaka”. Temos evidências de meu laboratório e de outros que é possível usar esses fatores para redefinir a idade das células e rejuvenescer tecidos complexos — pele, rins e até olhos.

Poderíamos nos projetar geneticamente para responder a um medicamento ou a um antibiótico como a doxiciclina, para que pudéssemos resetar a idade do corpo, digamos, a cada 10 anos.

É possível que possamos rejuvenescer órgãos, tecidos e até cultivar novos com esta tecnologia. Podemos conseguir regenerar novos órgãos ou membros (como um axolote). Como espécie, podemos viver tanto quanto uma baleia, uma tartaruga ou até mais.

Outras tecnologias que complementam isso incluem a capacidade de matar células senescentes velhas e induzir os benefícios da dieta e do exercício com moléculas chamadas rapalogs e NAD booster, além da tecnologia com a qual ainda nem sonhamos. Quando os órgãos falharem, imprimiremos novos em uma impressora 3D.

Eventualmente, depois de algumas centenas de anos de otimização da tecnologia, com uma combinação de reprogramação, moléculas estimuladoras de hormesis, exclusão de células senescentes e substituição de órgãos, poderíamos viver milhares de anos ou mais.

A tecnologia da longevidade atualmente está na fase dos irmãos Wright [considerados os inventores da aviação para os americanos] em 1903, porém sonhando em ir para as estrelas. Sabemos que é possível. Não há lei biológica ou física contra ela. A única questão é quando.

“Poderíamos nos projetar geneticamente para responder a uma droga ou antibiótico como a doxiciclina, para que possamos resetar a idade do corpo, digamos, a cada 10 anos”.

Mark McCormick

Professor Assistente de Bioquímica e Biologia Molecular, Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Novo México

Bem, para sempre é tempo demais. Dito isto, desconfio que as pessoas vão viver muito mais do que nós vivemos agora e fiquem uma fração muito maior de suas vidas livres de doenças. Quanto tempo mais? Eventualmente, o suficiente para que as pessoas hoje possam ficar bastante surpresas.

Nossas linhas germinais são essencialmente imortais e carregam o mesmo DNA, codificando as mesmas instruções que todas as nossas outras células mortais. Na natureza, podemos identificar pares de espécies relacionadas cuja vida útil natural varia 15 vezes ou mais, e sabemos que essas diferenças são todas devidas a alterações herdáveis ​​em seus genes, que estamos tentando descobrir e entender. No laboratório, os pesquisadores foram capazes de prolongar em dez vezes a vida útil de alguns animais. Nesse contexto, às vezes deixamos de enfatizar a grande frequência com a qual as descobertas feitas primeiro no laboratório em modelos simples mais tarde funcionam exatamente da mesma maneira em humanos. Há uma lista muito longa de prêmios Nobel, patentes e medicamentos de grande sucesso na medicina que destacam esse padrão.

Gosto de lembrar meus alunos que Thomas Edison, Lord Kelvin e outros especialistas afirmaram repetidamente que o vôo de objetos mais pesados que o ar era impossível, apenas alguns anos antes dos primeiros vôos dos irmãos Wright.

Nesse contexto, acho que é uma aposta segura que as pessoas tenham uma vida mais longa e saudável do que agora. As probabilidades mais arriscadas são tentar adivinhar se seremos nós, nossos filhos ou nossos netos quem primeiro verá esses benefícios. Por mais chato que pareça, por enquanto, acho que geralmente cuidar de si mesmo através de dieta e exercício físico pode lhe proporcionar a melhor melhora em suas chances de viver o bastante para ver esses avanços. O mais empolgante é o fato de que, enquanto falamos, estão sendo realizados testes com drogas em humanos que podem mudar drasticamente a resposta para essa pergunta a qualquer momento.

“Desconfio que as pessoas vão viver muito mais do que nós vivemos agora e fiquem uma fração muito maior de suas vidas livres de doenças”.