O Google, recentemente, fez uma grande atualização no seu sistema operacional para smartwatches. O Wear OS conta com uma nova interface simplificada, melhorias no monitoramento de saúde e fitness e um novo Google Assistente mais inteligente e útil.

Mas, por melhor que isso pareça, o software é só uma parte do que você precisa para ter um bom relógio inteligente. Sem uma peça de silício correta, os fabricantes só podem melhorar até certo ponto.

• Youtuber acredita que Google pode estar trollando mídia com vazamentos do Pixel 3
• Google Pixel 3 enfim ganha data de anúncio: 9 de outubro

Nesse quesito, o Apple Watch está em vantagem, já que recebe um novo processador caseiro da série S todo ano. No ecossistema Android, as coisas são diferentes. A Qualcomm é responsável pelos chips de 80% dos aparelhos Wear OS, anteriormente conhecido como Android Wear.

O melhor que os fabricantes podiam fazer era optar pelo Qualcomm Snapdragon Wear 2100, lançado em fevereiro de 2016. Não estamos nem considerando o ainda mais velho Snapdragon 400, que serviu de base para o Wear 2100.

Felizmente, isso pode mudar em breve. A Qualcomm anunciou nesta segunda-feira (10) seu novo Snapdragon Wear 3100. Em vez de reduzir processadores de smartphones e enfiá-los em dispositivos vestíveis, como era com o SD Wear 2100, o novo SD 3100 é feito com smartwatches em mente.

Ele vem com 4 CPUs A7 (contra apenas uma do SD Wear 2100), que devem entregar um desempenho melhor, um novo DSP (processador de sinais digitais) e um coprocessador de potência ultrabaixa para aumentar a eficiência energética.

Esses ganhos de eficiência se traduzem em uma maior duração de bateria na vida real. Segundo a Qualcomm, os novos aparelhos com Wear OS e Snapdragon Wear 3100 terão quatro a 12 horas de uso ativo adicional em relação ao processador anterior, o 2100. A duração total da bateria deve aumentar em algo entre um dia e meio e dois dias e meio — dependendo do tamanho da bateria, claro.

A Qualcomm, inclusive, usou o novo coprocessador para um novo Modo Relógio. Assim, quando a bateria do dispositivo está acabando, você ainda consegue ver que horas são.

Para ajudar no suporte a serviços como o Android Pay, o novo chip também conta com um NFC melhor integrado. O 4G, também melhorado, deve facilitar aos fabricantes criar relógios que não precisem estar constantemente ligados a um smartphone. Há até mesmo um hub de sensores que ajuda a facilitar coisas como monitoramento constante de frequência cardíaca, entre outros dados de saúde e bem-estar.

Outra novidade é que o novo processador usa 20 vezes menos energia para criar as animações do ponteiro dos segundos, coisa que muitas faces de relógio omitiam para economizar bateria.

Há muito mais marcas fashion que de tecnologia no mercado de smartwatches, o que é bom e ruim

Infelizmente, o lançamento tem um efeito colateral: muitos smartwatches ficarão ultrapassados antes mesmo de chegarem às lojas. Até o momento, só um aparelho foi anunciado com o novo chip: o Montblanc Summit 2.

Entretanto, com uma plataforma atualizada, o Snapdragon Wear 3100 pode promover o retorno de mais empresas de tecnologia a esse nicho de mercado.

Isso é importante, pois, nos últimos anos, a maioria das estreias no ramo dos relógios inteligentes foi de marcas de moda, como a Fossil e outras. Esses modelos são legais para quem procura notificações e contagem de passos em um relógio que pareça normal. Por outro lado, essas marcas não contribuem para o progresso da categoria, em termos de novas funções e recursos.

Mas, com o Snapdragon Wear 3100, podemos esperar que tanto nerds dos gadgets quanto mais marcas chiques possam encontrar um feliz equilíbrio. Resta que eles explorem o que o chip tem a oferecer.

Imagens: Qualcomm