Quando falamos sobre pontos turísticos, a Lua não tem muito a oferecer: sem praias, museus e oxigênio. Por outro lado, ela tem a virtude de ser “A Lua”. Isso é mais que motivo para justificar um passeio por lá, mas basta olhar no seu aplicativo de viagens favorito e notar que isso pode ser bem complicado.

Supostamente, a NASA decidiu diminuir o fluxo de envio de pessoas para lá há alguns anos, voltando somente em tempos recentes a fazê-lo. E mesmo que viagens à Lua fossem possíveis, só seriam bancadas por bilionários. Logo, temos a inevitável questão: quando nós, pessoas normais, poderemos visitar a Lua? Perguntamos a especialistas e te contamos a seguir.

Wendy N. Whitman Cobb

Professora Associada, Estudos de Estratégia e Segurança, Escola de Estudos Avançados do Ar e do Espaço da Força Aérea dos EUA

A primeira coisa a entender sobre as previsões para eventos futuros no espaço é que elas nunca estão certas e geralmente são otimistas demais. Perguntas como essa estavam sendo feitas na década de 1950, com alguns alegando que as visitas lunares regulares estavam ‘logo ali na esquina’ e certamente estariam acontecendo no final do século (20). Infelizmente, e para fazer referência a dizeres famosos, o espaço é difícil. E caro.

Em primeiro lugar, temos boas notícias: viagens à Lua podem ser feitas. A tecnologia, a capacidade de ir à Lua, foi comprovada pelo programa Apollo. Não requer nenhuma inovação radical. Só exige dinheiro e compromisso. Embora grandes Estados desenvolvidos tenham dinheiro, eles não têm compromisso desde a década de 1960. Por outro lado, a indústria privada geralmente carece de dinheiro. No entanto, os desenvolvimentos atuais na indústria espacial comercial estão começando a mudar essa lógica.

Um dos fatores de custo mais significativos é o lançamento. Custa muito dinheiro lançar qualquer espaçonave que você quer levar para a Lua. Felizmente, o custo de lançamento está diminuindo devido ao desenvolvimento de veículos lançadores reutilizáveis. Como é frequentemente apontado, voar em um avião também seria caro se você tivesse que jogar fora o avião toda vez que usasse. Compreendendo isso, empresas como a SpaceX têm trabalhado rumo à criação de veículos de lançamento reutilizáveis ​​que podem ser recarregados em um curto período de tempo. O ônibus espacial era apenas parcialmente reutilizável e exigia uma quantidade significativa de tempo entre os voos para ficar pronto para o próximo. O Falcon 9 da SpaceX, por outro lado, está mostrando que um iniciador pode ser quase totalmente reutilizável, reformado muito rapidamente, às vezes em apenas 40 dias. Isso reduz drasticamente os custos de entrada em órbita, colocando coisas como viagens à Lua mais firmemente em um âmbito mais possível para empresas privadas.

Então, vamos para as más notícias: mesmo com os custos de lançamento caindo, [uma viagem à Lua] ainda é muito caro e muito perigoso. No curto prazo, as únicas pessoas que irão à Lua serão astronautas apoiados pelo Estado ou turistas ricos que têm os ‘milhões de dólares’ para bancar isso. Teoricamente, esses tipos de viagens não só demonstrariam a segurança e confiabilidade do transporte para a superfície lunar, mas também dariam às empresas e países uma razão para desenvolver mais bases lunares de forma plena. Provavelmente só depois que essas bases fossem desenvolvidas e as viagens regulares entre a Terra e a Lua estivessem ocorrendo é que as pessoas comuns seriam capazes de financiar um passeio sem precisar fazer uma segunda hipoteca.

Então, quando será isso? Se continuarmos no nosso ritmo atual de progresso, pode ser o final do século 21, no mínimo. No entanto, este é um grande ‘se’. Embora haja pressão para que os países empreendam programas lunares, não há garantia de que eles serão mantidos. Isso é exatamente o que aconteceu após o programa Apollo. Assim que os EUA chegaram lá, o apoio, que já vinha caindo, caiu ainda mais vertiginosamente. Isso pode acontecer de novo. Ou os países e empresas podem deixar de encontrar uma razão para ficar na Lua, especialmente se eles pudessem trocar isso para uma ida à Marte. Por outro lado, se recursos valiosos são encontrados na Lua (por exemplo, He3 [hélio-3]) ou outras justificativas convincentes são encontradas para sustentar a exploração lunar, essa linha do tempo pode se alterar. Muito desse progresso depende da opinião pública e/ou da demanda comercial, ambas sendo forças historicamente exigentes.

Conclusão: embora eu aproveite a primeira oportunidade para fazer isso, acho que nunca irei para a Lua. Pode ser possível para minhas sobrinhas e sobrinhos, mas provavelmente será na geração seguinte … se tudo correr bem.

[Todas as opiniões expressadas pela autora são dela própria e não representam o Departamento de Defesa, nem seus afiliados.]

“Mesmo com os custos de lançamento caindo, ainda é muito caro e muito perigoso. No curto prazo, as únicas pessoas que irão à Lua serão astronautas apoiados pelo Estado ou turistas ricos que têm os ‘milhões de dólares’ para bancar isso”

 

Scott Magelssen

Professor de Drama e Estudos da Performance na Universidade de Washington e autor de Performing Flight: From the Barnstormers to Space Tourism

Eu não coloco a mão no fogo. É verdade, temos a ciência e a tecnologia básicas para levar e trazer pessoas comuns à Lua desde o final dos anos 1960. As missões lunares do programa Apollo foram uma tremenda conquista científica e tecnológica, mas o entusiasmo público e a vontade do contribuinte não foram suficientes para sustentar esse programa. Ele foi aposentado antes mesmo de concluir tudo o que havia sido planejado para suas primeiras fases muito antes dos nos sonhos futuristas de bases lunares e tráfego regular de ida e volta.

Agora que grande parte da indústria espacial foi em grande parte assumida por empresas privadas, e como vimos um punhado de indivíduos ricos pagarem suas próprias viagens para visitar a Estação Espacial Internacional, a promessa de turismo espacial para pessoas normais parece mais uma vez dentro de nosso alcance. Os objetivos ambiciosos da Virgin Galactic de trazer clientes pagantes para uma órbita próxima à Terra, ou da SpaceX enviar cidadãos particulares para uma viagem aérea lunar, no entanto, foram adiados por anos, e a adesão do público foi amortecida por contratempos e tragédias como a da Virgin SpaceShipTwo da Galactic em 2014.

E, de muitas formas, parecemos mais distantes desta visão de turismo lunar que tínhamos há mais de uma década. Como o voo espacial privado está agora ostensivamente nas mãos de um número muito pequeno de celebridades bilionárias como Elon Musk, Jeff Bezos e Richard Branson, o empreendimento depende somente do sucesso contínuo. Faríamos bem em estar atentos, então, à vulnerabilidade deles, e não apenas financeiramente: vimos que o destino de uma figura pública carismática pode se transformar com a exposição de um escândalo ou mesmo um tuíte mal interpretado. E a indústria espacial está sob escrutínio por impactos ambientais potencialmente desastrosos na Terra, como a quantidade de emissões de carbono negro que seriam despejadas na atmosfera pelo tipo de atividade de lançamentos necessários para viagens espaciais regulares.

Mas o mais preocupante são as descobertas recentes de que a exposição prolongada à radiação e longos períodos de gravidade reduzida, que são elementos persistentes dos voos espaciais, causam muito mais danos ao corpo humano do que pensávamos. Como mostram os estudos do astronauta Scott Kelly após um ano no espaço, nossos corpos começam a se desintegrar assim que deixamos a proteção da atmosfera do nosso planeta e de sua atração gravitacional. Comprometimento cognitivo, deterioração muscular e óssea e atrofia do coração são apenas alguns dos impactos mentais e fisiológicos negativos causados ​​pelo tempo passado no espaço. Eu imagino que, para muitos, esses perigos valem a pena o risco, mas e quanto às tripulações de voo e outras equipes espaciais que sofreram uma exposição mais prolongada? E quem sabe que tipo de obstáculos isso representará para o Departamento de Transporte e para a Administração Federal de Aviação ou qualquer outra organização que venha a aprovar e regulamentar as viagens espaciais no futuro. A ideia de pessoas comuns caminhando na superfície da Lua um dia continua a ser deslumbrante, mas espero que este último ponto seja um dos maiores obstáculos que teremos que superar para que isso aconteça, e eu não acho que vamos descobrir isso tão cedo.

“De muitas formas, parecemos mais distantes desta visão de turismo lunar que tínhamos há mais de uma década. Como o voo espacial privado está agora ostensivamente nas mãos de um número muito pequeno de celebridades bilionárias como Elon Musk, Jeff Bezos e Richard Branson, o empreendimento depende somente do sucesso contínuo.”

 

Jim Bell

Professor de Exploração da Terra e do Espaço da Universidade do Arizona e autor do The Ultimate Interplanetary Travel Guide, fortemente envolvido nas missões de exploração de sistema solar da NASA

Em meu livro ‘The Ultimate Interplanetary Travel Guide’, imagino um futuro em torno de 200 anos, quando viagens interplanetárias e turismo para pessoas comuns sejam tão comuns em nosso sistema solar quanto o turismo dentro do nosso próprio planeta. Até então, afirmo, os avanços em propulsão e outras tecnologias terão reduzido drasticamente o tempo de viagem de hoje e a construção de infraestrutura e serviços em destinos fora do planeta apoiarão o turismo espacial como um modelo de negócios viável.

OK, mas e aqueles que não estarão vivos daqui 200 anos? Se os planos atuais da NASA e de outras agências espaciais derem certo, os astronautas treinados retornarão para explorar a Lua para visitas curtas em algum momento da próxima década. É razoável supor que se as tendências atuais nos avanços nos sistemas espaciais comerciais e governamentais continuarem, as tecnologias para lançadores, orbitadores, landers e rovers modernos interplanetários com capacidade humana estarão ativos na Lua nas décadas de 2020 e 2030, bem como em Marte nas décadas de 2030 e 2040. Embora nenhuma base lunar específica ou planos de assentamento estejam sendo desenvolvidos (além de estudos de alto nível), o acesso de baixo custo e maior confiabilidade espacial poderia muito bem alimentar uma explosão significativa na economia do espaço profundo – incluindo as primeiras oportunidades de turismo especial para pessoas comuns – na segunda metade do século 21.

Então, alimente-se bem, faça exercícios e almeje a longevidade. Talvez nos ‘anos dourados’ aquele fim de semana na Lua seja realmente possível.

“Embora nenhuma base lunar específica ou planos de assentamento estejam sendo desenvolvidos (além de estudos de alto nível), o acesso de baixo custo e maior confiabilidade espacial poderia muito bem alimentar uma explosão significativa na economia do espaço profundo – incluindo as primeiras oportunidades de turismo especial para pessoas comuns – na segunda metade do século 21.”

 

Alex Roland

Professor emérito da Universidade de Duke, estuda história militar e história da tecnologia

Podemos dizer com certeza de que não será nos próximos 50 anos. Além deste horizonte, há muitas incógnitas. Dentro dele, nenhuma tecnologia previsível será capaz de superar os obstáculos da física, política, economia e fisiologia humana que agora impedem o voo espacial humano rotineiro. Duas realidades distintas sugerem os desafios que os entusiastas do turismo lunar enfrentam.

Em primeiro lugar, a tecnologia do voo espacial atualmente favorece as máquinas, não as pessoas. Qualquer coisa útil que queiramos fazer no espaço (incluindo a exploração) custa dez vezes mais se enviarmos pessoas para fazer isso. Isso foi verdade durante a corrida espacial para a Lua na década de 1960 e é ainda mais real nos dias atuais. Graças à microeletrônica e às revoluções de IA dos últimos 50 anos, espaçonaves automatizadas e controladas remotamente podem fazer qualquer coisa no espaço que os humanos podem fazer. Elas podem fazer melhor, com menos risco e custo mais baixo. Colocar pessoas a bordo de uma espaçonave imediatamente converte qualquer missão em uma questão suporte e salvamento de vida para trazer as pessoas de volta. A bordo da envelhecida estação espacial, os astronautas atuam principalmente como sujeitos humanos de estudo científico, medindo o impacto nocivo da gravidade zero, do isolamento e da radiação.

O segundo obstáculo para haver uma colônia na Lua é o investimento. Que coletivo humano (nação, corporação ou comunidade) pagará dezenas ou centenas de bilhões de dólares para manter pessoas na Lua? E que retorno deste investimento eles podem esperar? Nada na Lua compensaria o custo de enviar pessoas para buscá-las. Usar a Lua como ponto de parada para Marte aumenta a aposta sem responder à questão do retorno sobre o investimento. Colonizar corpos extraterrestres com a tecnologia atual imita o colonialismo na Terra, sem a tentação de enriquecer. Apenas meia dúzia de humanos vivem nas regiões polares da Terra. Nenhum vive no fundo de nossos oceanos. Ambos os reinos são muito mais fáceis e baratos de alcançar, mais simples e seguros de habitar e mais úteis para explorar. Multimilionários ou bilionários podem pagar pelo prestígio de serem os primeiros turistas na Lua, mas nenhuma “pessoa normal” em qualquer futuro previsível terá a riqueza disponível para pagar uma fração dessa tarifa.

Em vez de perguntar quando as pessoas normais poderão ir à Lua, pode ser mais revelador perguntar se alguém irá à Lua nos próximos cinquenta anos. Quem? Por quê?

“Apenas meia dúzia de humanos vivem nas regiões polares da Terra. Nenhum vive no fundo de nossos oceanos. Ambos os reinos são muito mais fáceis e baratos de alcançar, mais simples e seguros de habitar e mais úteis para explorar.”

 

Scott Hubbard

Professor Adjunto de Aeronáutica e Astronáutica da Universidade de Stanford, que atuou como o primeiro diretor do programa de Marte da NASA

O cronograma declarado é o desembarque ‘a primeira mulher e o próximo homem’ em 2024. Com base em minha própria experiência e uma auditoria recente do GAO (Escritório de Contabilidade do Governo), as chances de isso acontecer dentro do cronograma são baixas. Depois que a NASA e os parceiros da Artemis pousarem, provavelmente levará alguns anos até que um cliente pagante possa fazer o mesmo. Poderei afirmar que o ritmo dos voos humanos puramente comerciais parece estar se acelerando. A SpaceX e a Axiom estão planejando um deles em breve.

“O cronograma declarado é o desembarque ‘a primeira mulher e o próximo homem’ em 2024. Com base em minha própria experiência e uma auditoria recente do GAO (Escritório de Contabilidade do Governo), as chances de isso acontecer dentro do cronograma são baixas.”

 

Mark J. Sundahl

Professor de Direito e Diretor do Global Space Center da Universidade Estadual de Cleveland

A evolução histórica do astronauta sugere que isso acontecerá cedo ou tarde. Espero que os primeiros turistas ponham os pés na Lua nos próximos dez anos, dados os planos ambiciosos da NASA no âmbito do programa Artemis, juntamente com a feroz energia empreendedora que está impulsionando a revolução das viagens espaciais.

No início da Era Espacial, apenas os pilotos de teste militares com as ‘coisas certas’ podiam ser astronautas. Cientistas e outros ‘especialistas em carga útil’ foram eventualmente acrescentados ao corpo de astronautas à medida que as funções da tripulação iam além da mera pilotagem. Em 1986, a professora Christa McAuliffe foi adicionada à tripulação do ônibus espacial para levar o sonho da viagem espacial ao cidadão comum. Em 2001, a URSS começou a transportar turistas para a ISS, quando Dennis Tito passou oito dias em órbita.

As pessoas comuns logo voarão (em breve) para o espaço suborbital com a Virgin Galactic e a Blue Origin por ‘meros’ US$ 250 mil. O bilionário japonês Yusaku Maezawa, junto com oito de seus amigos, está programado para circunvagar a Lua na nave da SpaceX em 2023 e os primeiros astronautas (com algum grau de otimismo) deverão pousar na superfície da Lua no ano seguinte no mesmo veículo. Assim que a Starship se provar segura após múltiplas missões tripuladas e desengatadas à Lua sob o comando de Artemis, os turistas estarão logo em seguida. Talvez já em 2027. O quão ‘comuns’ esses turistas serão dependerá do preço do bilhete, mas isso vai diminuir com o tempo. Em 2031, espero que as filas estejam se formando para fazer uma viagem à Lua – a nave foi projetada para atender essa demanda com capacidade para transportar 100 pessoas em um único voo. Dito isso, muitos acreditavam que os primeiros turistas suborbitais voariam logo depois que o Ansari X-Prize foi ganho em 2004 pela empresa que projetou o progenitor da nave espacial III da Virgin Galactic. Continuamos à espera do primeiro voo de passageiros pagantes hoje, em 2021.

“As pessoas comuns logo voarão (em breve) para o espaço suborbital com a Virgin Galactic e a Blue Origin por ‘meros’ US$ 250 mil”

 

Peter Ward

Professor de Biologia e Professor Adjunto de Astronomia na Universidade de Washington

Acho que nunca chegaremos lá. Pelo menos eu não vou.

A taxa de natalidade está caindo em todos os lugares. Combinado com medicamentos realmente bons, isso significa que haverá uma população envelhecida. Isso significa que partes cada vez maiores do produto nacional bruto terão de ser destinadas a lidar com velhos como eu. A cada década daqui para frente, estaremos reduzindo a quantidade de dinheiro dispensável produzida pelos humanos na Terra. Coisas como investir na habilidade de projetar foguetes comuns para a Lua serão cada vez mais insustentáveis – todo o programa espacial será consumido por isso, a menos que possamos encontrar alguma maneira de lucrar com o espaço. E o único lugar para fazer isso é no cinturão de asteroides – não há nada na Lua que dê dinheiro.

Além disso: o que seria uma ‘pessoa normal’? Existem pessoas realmente ricas – pessoas em São Francisco, digamos, ganhando US$ 300 mil ou US$ 400 mil por ano – que nunca poderiam pagar uma dessas versões de voo espacial intergaláctico, que vai custar cerca de US$ 200 mil apenas por dez minutos no espaço inferior. Se pudéssemos de alguma forma fazer com que o preço de uma viagem à lua chegasse a US$ 5 milhões… quero dizer, quantas pessoas podem pagar isso?

Nunca diga nunca, mas não vejo isso acontecendo nesse século.

“Coisas como investir na habilidade de projetar foguetes comuns para a Lua serão cada vez mais insustentáveis – todo o programa espacial será consumido por isso, a menos que possamos encontrar alguma maneira de lucrar com o espaço.”

 

Robert Goehlich

Especialista em turismo espacial e professor assistente adjunto da Embry-Riddle Aeronautical University Worldwide

Minha resposta curta é: entre 10 e 100 anos.

No Livro Didático de Turismo Espacial dividi as atividades de turismo espacial atuais e futuras em dez estágios de complexidade, começando com o estágio 1 – ‘atrações naturais e outros’ – e terminando com o estágio 10: ‘além dos voos’. Eu defini voos lunares como estágio 8: ‘Comparado a um simples voo suborbital ou orbital, a complexidade do cenário de voo lunar aumenta significativamente… No contexto do turismo espacial, viagens lunares são improváveis a curto prazo, a menos que os turistas orbitem a Lua e não pousem lá. Em 1968, os astronautas da Apollo 8 orbitaram a Lua e viram a mesma visão da espaçonave que os turistas podem ver… Depois que o turismo espacial em massa para a órbita da Terra se tornar uma ocorrência diária, os turistas ricos desejarão viajar e até pousar na Lua.’

Tendo isso em mente, supondo que haja um foguete seguro para a lua, eu poderia imaginar um cenário otimista em que esporádicas ‘pessoas normais’, por exemplo, ganham uma passagem para um voo lunar em curto prazo. Um cenário pessimista pode ser que, mesmo a longo prazo, nenhuma ‘pessoa normal’ será capaz de visitar a Lua devido a questões de segurança, ambientais e financeiras ainda não resolvidas. Um cenário realista está no meio do caminho e a história já nos ensinou isso.

“Um cenário pessimista pode ser que, mesmo a longo prazo, nenhuma ‘pessoa normal’ será capaz de visitar a Lua devido a questões de segurança, ambientais e financeiras ainda não resolvidas”

 

Garrett Reisman

Engenheiro americano e ex-astronauta da NASA

Pode ser mais cedo do que você pensa. Tanto a NASA quanto outros programas espaciais nacionais estão planejando enviar humanos para a Lua em nome de seus respectivos governos em um futuro próximo, mas os cidadãos particulares estão voltando seus olhos para a Lua também. Na verdade, um cidadão comum, Yusaku Maezawa, já chegou a um acordo com a SpaceX para uma viagem circunlunar. Outras oportunidades virão já que, no novo paradigma comercial, a NASA está contratando serviços de transporte com empresas privadas como a SpaceX – mas a empresa privada possui e opera os veículos, o que permite que eles usem seus recursos para clientes não pertencentes à NASA. Agora, acontece que esses clientes não são ‘pessoas normais’ – eles são pessoas extremamente ricas. Mas, com o tempo, os custos diminuirão e a acessibilidade aumentará. Então, quando os não-bilionários poderão comprar uma passagem e visitar a Lua? Ninguém sabe ao certo, mas levou cerca de 60 anos para que as viagens aéreas se tornassem acessíveis com a desregulamentação em 1978, e espero que possamos fazer melhor no espaço e atingir preços acessíveis nos próximos 50 anos.

“Agora, acontece que esses clientes não são ‘pessoas normais’ – eles são pessoas extremamente ricas”

 

Assine a newsletter do Gizmodo

Julie Brisset

Cientista associada do Instituto Espacial da Flórida

Depende um pouco do que você entende por pessoas normais: apenas não-astronautas, ou seja, turistas espaciais muito ricos, por exemplo, ou pessoas realmente normais como você e eu.

Os turistas espaciais, que devem ser muito ricos, provavelmente poderiam visitar a Lua muito antes que as pessoas comuns o façam, assim como fizeram na Estação Espacial. Empresas privadas como a Blue Origin provavelmente oferecerão viagens para lá da mesma forma que oferecem voos suborbitais agora.

Em qualquer caso, acho que a sequência será: primeiro os astronautas, depois os técnicos/trabalhadores que construirão a infraestrutura, depois alguns pioneiros que estarão dispostos a se estabelecer lá, então talvez mais pessoas da população.

A chave é o aumento regular do uso econômico do espaço cis-lunar. Se houver um incentivo financeiro para atividades de acomodação na Lua, as visitas regulares das pessoas podem ser apenas um efeito colateral. Assim como as cidades cresceram ao longo dos trilhos quando os trens passaram a ser usados para transporte.