Isto ocorreu na cidade de Zamora, na Espanha — ah, onde mais…. — no sábado. Durante mais de uma hora, o filme foi exibido — nas palavras de uma das testemunhas, Francisco Guarido, um servidor público maravilhado — "com nitidez impressionante", provocando reações misturadas na multidão que ficava maior a cada minuto que passava.

Muitas pessoas riam, como a policial que chegou primeiro ao ser alertada pelo funcionário da prefeitura. De fato, ela não conseguia conter sua gargalhada ao alertar a delegacia via rádio. Mais pessoas e agentes da polícia continuavam se acumulando, muitos rindo, alguns se deleitando com olhos vidrados na tela, alguns escandalizados mas ainda assim com olhos grudados na tela, outros desaprovando o funcionário da prefeitura que lá estava. Duas senhoras idosas gritaram uma bronca contra Guarido, culpando-o pelo show indecente.

Após uma hora de gemidos, risadinhas e reprovações públicas — sim, eu amo o meu país. Eu o odeio na maior parte das vezes, mas em outras eu simplesmente adoro — os agentes policiais acabaram com o show colando duas folhas de papel sobre a tela. Mais tarde, a empresa responsável pelo quiosque público desligou o filme. O funcionário da prefeitura disse que a segurança do sistema de segurança usado para esta tarefa era "frágil". Ele na verdade quis dizer "uma merda". [El Mundo — em espanhol]