A temporada de Halloween está chegando e, para entrar no clima tenebroso, muitos se aventuram por filmes de terror antigos — desde as histórias dos monstros como Frankstein e Drácula até os clássicos dos anos 80.

Com a chegada recente às telonas de Halloween Kills: O Terror Continua, separamos todos os filmes (até agora) que vieram após o primeiro Halloween de John Carpenter, de 1978.

12) Halloween (2007) e 11) Halloween II (2009)

O Halloween original é um exercício de minimalismo — o oposto dos dois remakes feitos por Rob Zombie, que prefere o exagero. Os longas são mais barulhentos, mais brutais, com personagens tão horríveis a ponto de deixar você feliz quando Michael começa a eliminá-los, além de serem mais longos.

No primeiro filme, não só temos uma história de fundo, que fala sobre a infância infeliz de Michael, mas também recebemos uma palestra do Dr. Loomis (Malcolm McDowell) sobre todas as razões pelas quais Michael se tornou um assassino — como se ainda não tivesse ficado óbvio.

Esses filmes não são de todo ruins — os elencos são compostos por atores de peso, além de McDowell (afinal, ele fez o Alex DeLarge em Laranja Mecânica), Brad Dourif (a voz do Chucky em Brinquedo Assassino), Udo Kier (Sangue para Drácula e Bacurau),entre outros. Enquanto o primeiro filme ecoa o original de 1978, o segundo segue sua própria narrativa. Mas, se você não consegue superar essa versão — como é possível que a amada heroína do terror Laurie Strode (Scout Taylor-Compton) foi transformada em alguém tão desagradável? –, existem muitos outros filmes de Halloween para escolher. Então, você pode apenas fingir que esses não existem.

10) Halloween 4: O Retorno de Michael Myers (1988)

O “retorno” no título refere-se ao fato de que o terceiro filme de Halloween acabou com o vilão mascarado. Mas, como anunciado, ele está de volta para terminar alguns assuntos pendentes, 10 anos após os acontecimentos do primeiro e segundo filmes.

O filme também conta sobre o retorno de Michael para casa em Haddonfield, Illinois, missão que ele consegue cumprir facilmente apesar de ter sido dopado e atrasado por uma transferência imprudente de um prisioneiro psiquiátrico em 31 de outubro. Seu alvo desta vez é Jamie Lloyd (Danielle Harris), a filha de Laurie Strode (Jamie Lee Curtis) cuja personagem teria morrido em um acidente de carro um ano antes, foi levada por uma nova família, incluindo a adolescente Rachel (Ellie Cornell).

Não há realmente muito que seja notável sobre Halloween 4 no que diz respeito ao estilo ou à história, pode-se sentir o retorno da estrela Donald Pleasence, que interpreta o cansado e obcecado por Michael, Dr. Loomis, que sobreviveu ao inferno no final de Halloween II. O filme tenta passar a tocha de Michael para Jamie em suas cenas finais, e embora o traje de Halloween de palhaço assustador da garotinha seja uma bela homenagem, tudo parece um pouco óbvio demais. Mas, a ideia dos rapazes residentes de Haddonfield criarem uma vigilia anti-Michael foi muito inteligente.

9) Halloween 5: A Vingança de Michael Myers (1989)

Um ano depois do show de Myers – em que se refugiou como um eremita – ele acorda e envia uma mensagem via telepatia para Jamie (Harris), que não consegue falar e mora em uma clínica para crianças problemáticas desde que feriu sua mãe adotiva no final do quarto filme. Uma vez que o Dr. Loomis percebe a conexão ESP de Jamie e Michael, ele pressiona a garota para ajudá-lo a rastrear sua ex-paciente, que não perde tempo após seu último renascimento antes de começar a matar novamente (a última final girl, Rachel, não sai do primeiro ato).

O filme de 1989 do diretor e co-roteirista Dominique Othenin-Girard melhora essa saga porque tem um tom distintamente perturbado, entre os surtos psíquicos de Jamie, a intensidade do olhar selvagem de Loomis e outros detalhes que parecem estranhos, como a maneira como o filme casualmente troca em uma casa vitoriana aleatória para retratar a casa de infância icônica de Michael.

8) Halloween 6: A Última Vingança (1995)

Esta sexta entrada da série foi lançada em 1995, tornando-se parte do último suspiro dos filmes de terror da primeira onda antes de Pânico (1996), revitalizar o gênero com sua abordagem autorreferencial.

Dirigido por Joe Chappelle, A Última Vingança tenta à sua própria maneira levar a mitologia do Halloween em uma nova direção, pegando em algo que o Dr. Loomis (com a última aparição de Donald Pleasence) disse em Halloween II sobre a conexão de Michael com o antigo festival de Samhain (a origem pagã do Halloween). Para resumir um monte de besteira, há um culto operando em Haddonfield que acredita que Michael é a chave para desbloquear poderes ilimitados do mal, e eles aparentemente estiveram cuidando dele – e de uma Jamie Lloyd (JC Brandy) mais velha, quem dá à luz uma criança que o culto pretende sacrificar, é então o mascarado é morto de forma anticlimática – esperando o momento cósmico certo para seu ritual.

Além disso, parentes de Laurie Strode estão de alguma forma morando na velha casa de Myers, e o garoto que Laurie estava cuidando do primeiro filme, Tommy Doyle (interpretado por Paul Rudd, o Homem-Formiga) ficou jogado nesse sexto filme. Existem alguns elementos inteligentes como a abordagem de Michael foi elevado de lenda local a ícone da cultura pop serial-killer – mas, principalmente, é uma bagunça absurda. Alguns podem achar isso frustrante, mas outros podem se divertir muito, e é por isso que a entrada amplamente considerada como a pior da série não está no fundo da lista.

7) Halloween: Ressurreição (2002)

Ambientado alguns anos após os eventos de Halloween H20: Vinte Anos Depois, esta sequência começa com Laurie em uma nova vida e não está bem depois de decapitar Michael no final do filme – exceto, como logo descobriremos quando essa continuação vem para justificar sua existência, não era Michael! Ele trocou de lugar com um inocente! Michael ainda está vivo! E a primeira coisa que ele faz é … matar Laurie.

A lógica de Halloween dita que a próxima parada de Michael no trem do assassinato deve ser John, o filho de Laurie nesta continuidade (interpretado por Josh Hartnett em H20), mas não. Esse longa abraça o mundo moderno de lives, mudando para uma narrativa em que universitários participam de um evento em realidade virtual (uma tentativa de metaverso?) chamado Dangertainment e são trancados dentro da antiga casa de Michael, enquanto as câmeras gravam. Mal sabem eles que o próprio Myers está no subsolo – presumivelmente desde 1978, com uma viagem paralela de Illinois à Califórnia para perseguir Laurie em H20.

Mais do que qualquer outro filme nesta lista, Ressurreição parece bastante antiquado, graças à sua adoção ansiosa da melhor tecnologia que 2002 poderia fornecer, e há algum humor que parece retrógrado para os padrões de 2020. Mas pelo menos injeta um pouco de novo na narrativa e adiciona um pouco de diversão para a franquia.

6) Halloween Kills: O Terror Continua (2021)

A sequência de 2021 de David Gordon Green para o Halloween de 2018 se apoia na nostalgia, trazendo de volta vários personagens do filme original e até mesmo nos dando um flashback estendido daquela noite fatídica de 1978 de um ponto de vista diferente. Enquanto Laurie Strode, gravemente ferida se recupera no hospital de Haddonfield, Michael continua sua matança – e toda a cidade, liderada por Tommy Doyle (Anthony Michael Hall), o garoto cuidado pela personagem de Laurie – sobe para caçá-lo. O tom geral é de pura fúria e angústia, e Halloween Kills está repleto de temas sobre a justiça da multidão e os efeitos prolongados do trauma, que atinge o lar com a sutileza de uma faca de açougueiro no torso.

É estranho ter um filme de Halloween em que Laurie e Michael não compartilham nenhuma cena – e é ainda mais estranho que, de repente, o roteiro quer que acreditemos que Michael não esteve obcecado em matar Laurie todos esses anos; ele está apenas tentando chegar em casa, você vê, e não pode evitar massacrar qualquer um que fique em seu caminho. Embora Halloween Kills possa não limpar completamente a barreira para se tornar um daqueles filmes de “terror elevado” que o público espera em 2021, ainda é de melhor qualidade do que muitas das sequências de Halloween. É também provavelmente o filme mais horrível de toda a série, o que não é nada desprezível.

5) Halloween II (1981)

O diretor de Halloween: Resurreição, Rick Rosenthal fez sua estreia no longa com esta entrada de 1981 na série, que continua exatamente de onde o original de 1978 parou: Laurie acabou de se defender do bicho-papão e o Dr. Loomis está horrorizado (mas não tão surpreso) em descobrir que atirar em seu paciente monstruoso seis vezes não é suficiente para matá-lo. Embora os criadores de Halloween, Carpenter e Debra Hill, tenham voltado a escrever e produzir juntos, e o filme tenha a mesma vibe do primeiro filme – a mesma música de Carpenter, as mesmas ruas de Pasadena passando por Haddonfield, Jamie Lee Curtis no auge de ser a “rainha do grito” — há uma queda perceptível na qualidade.

O enredo não inova muito; mais uma vez, Laurie tenta escapar de seu perseguidor enquanto Loomis tenta freneticamente caçá-lo. E enquanto os níveis de sangue e gore aumentam, sustos reais são mais difíceis de acontecer.

Halloween II é provavelmente mais conhecido como o filme que introduziu o motivo de Michael ter enlouquecido. As parcelas subsequentes (até a reinicialização de 2018) foram então obrigadas a acessar essas informações para criar sua própria trama na narrativa. Mas, olhando para trás, mantê-lo como um enigma teria sido muito mais assustador.

4) Halloween (2018)

Com Halloween H20 meio que desapareceu no imaginário das pessoas, 2018 parecia um bom momento para retomar 40 anos depois, com uma continuidade renovada. Aqui, apenas o filme de 1978 aconteceu, libertando Laurie Strode (Curtis) da ligação entre ela e Michael nesta rodada. O diretor David Gordon Green justifica a reutilização do título do original espalhando uma abundância de referências ao longo da história, que imagina que Laurie nunca deixou Haddonfield e passou a vida se preparando para Michael – que está preso desde 1978 – para vir bater na porta.

O compromisso de Laurie em ser uma sobrevivente paranoica faz sentido para qualquer um que viu Michael em ação, mas quase todas as outras pessoas no filme, incluindo sua filha adulta Karen (Judy Greer), acham que ela está louca. Isso está 100 por cento de acordo com o tema contínuo da série de Halloween de ninguém levar a sério a ameaça de Michael Myers até que seja tarde demais, mas isso não torna as coisas menos irritantes. Outro ponto fraco do filme é o protegido do Dr. Loomis (Haluk Bilginer como Dr. Sartain), cujo plano bizarro de libertar Michael vai contra tudo que Loomis defendia e parece desnecessário, especialmente porque Michael provou repetidamente o quão excelente ele está fugindo sem precisar de ninguém para ajudá-lo.

Com as sequências diretas Halloween Kills e Halloween Ends (previsto para sair em 2022) já definidas, temos a garantia de mais desta versão traumatizada, fortemente armada e com cicatrizes de batalha de Laurie – e como a atuação de Curtis é a melhor parte deste filme, isso é algo pelo qual ansiar.

3) Halloween H20: 20 anos depois (1998)

Apenas três anos após o lançamento do filme B de A Última Vingança, os filmes de terror voltaram a ser legais graças a sensações de bilheteria como Pânico e Eu Sei o Que Você Fez no Verão Passado.

Há um aperfeiçoamento técnico (e sem dúvida um aumento no orçamento) que eleva o Halloween H20; é dirigido pelo veterano do terror Steve Miner (Sexta-Feira 13 – Parte 2 e Parte 3) e possui um elenco incrível com o retorno de Jamie Lee Curtis como Laurie Strode. Para os fãs de terror, há também Nancy Stephens como a enfermeira de longa data do Dr. Loomis, Marion Chambers, que aparece nos dois primeiros filmes de Halloween, e uma divertida participação coadjuvante da mãe de Curtis, a estrela que grita no chuveiro em Psicose (1960), Janet Leigh. Para os fãs da cultura pop do final dos anos 90, você também tem LL Cool J, Adam Arkin, Josh Hartnett, Michelle Williams, Jodi Lyn O’Keefe e Joseph Gordon-Levitt.

A história de H20 apaga os três filmes anteriores, embora mantenha o detalhe de que Laurie “morreu” em um acidente de carro – uma história para cobrir que ela possa esconder sua identidade como uma sobrevivente do infame massacre de Halloween, bem como escondê-la localização de você-sabe-quem. O estresse pós-traumático de Laurie é explorado aqui de uma forma completamente diferente do Halloween de 2018; ela tem pesadelos violentos e os está controlando tenuamente com a ajuda de um problema secreto com a bebida e um armário cheio de remédios prescritos. Mas ela também é a querida diretora de um colégio interno e é mais funcional em seus relacionamentos, embora seu filho de 17 anos (Hartnett) pense que ela é muito rígida.

Quando Michael se materializa – o filme nunca especifica, mas aparentemente ele está solto há 20 anos – seu confronto com ela é épico que ocupa muito mais tempo na tela do que a briga da versão de 2018. E embora haja mais episódios de Halloween depois de H20, o filme termina com uma sensação de finalidade extremamente satisfatória no momento.

2) Halloween III: A Noite das Bruxas (1982)

Lançado em 1982, Halloween III representa uma tentativa de reiniciar a franquia como uma série de antologia de filmes construída em torno de histórias com o tema do Halloween. Essa ideia começou e terminou com este filme, mas graças a Carpenter e Hill deram uma chance porque Halloween III – dirigido por Tommy Lee Wallace, um antigo associado do Carpenter que na verdade vestiu a máscara de Michael Myers para algumas cenas importantes no primeiro Halloween – é sua própria criação estranha e incrível.

Este filme, que evoca o estilo de Carpenter sem surpresa, tem tudo: uma trama sinistra traçada por uma bruxa malvada envolvendo magia antiga roubada de Stonehenge; Máscaras de Halloween projetadas para assassinar crianças fazendo cobras e insetos escorrerem de seus cérebros; um jingle publicitário cativante que ficará gravado na sua cabeça para sempre; um exército de androides assassinos; e uma subtrama romântica hilariantemente implausível que o filme leva 100 por cento a sério.

E, tecnicamente, não é verdade que não há Michael neste – no mundo de Halloween III, o primeiro filme recebe um elogio (“o clássico imortal!”) graças a um meta comercial de TV, que aparece apenas para oferecer uma piscadela exagerada para o público.

Assine a newsletter do Gizmodo

1) Halloween (1978)

O original inovador não é apenas o filme pelo qual todos os filmes de Halloween devem ser medidos – é um dos maiores nomes de todo o gênero de terror: um psiquiatra frenético, um maníaco fugitivo e uma babá, todos em rota de colisão na noite de Halloween. A atuação de Curtis como a aluna do ensino médio chamada para lutar contra a personificação do mal ancora o coração do filme, enquanto a ação intensa é elevada a alturas ainda mais assustadoras pelo uso de tomadas POV (ponto de vista) pelo diretor Carpenter e sua própria trilha sonora eletrizante.