A Razer construiu o smartphone que os gamers merecem (sim, ele tem luzes coloridas)

Na primeira vez que você testa algo, você checa seu design, experimenta todos os novos recursos, mas, mesmo depois de uma hora ou mais, o dispositivo ainda não parece tão familiar quanto algo que é seu e que você usa todos os dias. E, ainda assim, na primeira vez em que me sentei e joguei […]

Na primeira vez que você testa algo, você checa seu design, experimenta todos os novos recursos, mas, mesmo depois de uma hora ou mais, o dispositivo ainda não parece tão familiar quanto algo que é seu e que você usa todos os dias. E, ainda assim, na primeira vez em que me sentei e joguei uma rodada de PUBG Mobile usando o Razer Phone 2, terminei com um chicken dinner [quando você ganha uma partida]. Quem conseguiu isso, eu ou o smartphone? Ainda não tenho certeza, mas eis como o telefone gamer da Razer evoluiu para a sua segunda iteração.

À primeira vista, e especialmente falando da parte frontal, o Razer Phone 2 parece quase idêntico ao primeiro modelo. Mas, olhando mais de perto, você notará que as câmeras frontais e traseiras estão em locais diferentes, enquanto na traseira a Razer trocou o metal por vidro.

O primeiro Razer Phone à esquerda e o Razer Phone 2 à direita.Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Essas duas coisas indicam grandes melhorias no Razer Phone 2 que, em breve, devem beneficiar todos os usuários, e não apenas os gamers. Tirando proveito do vidro na traseira, o Razer Phone acrescentou carga sem fio, e os novos módulos de câmera oferecem uma fotografia melhorada, incluindo estabilização de imagem óptica embutida, foco automático mais rápido e um HDR melhorado. Isso é importante, porque imagens borradas e sem brilho eram uma das minhas maiores reclamações sobre o primeiro telefone da Razer. Mesmo que ele seja feito para gamers, não há desculpas para ser econômico nos deveres “tradicionais” de um smartphone.

A outra grande mudança é a adição de iluminação RGB. No ano passado, pareceu absurdo que a Razer tenha feito um telefone para gamers sem luzes coloridas chamativas, mas agora elas estão presentes, e não é só para inglês ver. Graças à integração do Razer Chroma por meio de um novo aplicativo móvel, essas luzes RGB podem ser programadas para piscar e pulsar cores diferentes, dependendo da situação. Você pode programá-lo para piscar em azul quando receber uma mensagem ou em vermelho se receber um e-mail de seu chefe, e, como o aplicativo funciona analisando suas notificações, existe basicamente uma quantidade infinita de personalização.

Clique aqui para ver as imagens em tamanho ampliado.

Por dentro, o Razer Phone 2 também foi atualizado com especificações mais robustas, incluindo um chipset Qualcomm Snapdragon 845, 8 GB de RAM e novos alto-falantes estéreo duplos com tecnologia Dolby Atmos. Como os jogos em um smartphone tendem a esquentar os aparelhos, a Razer colocou até um enorme sistema de resfriamento de câmaras de vapor do tamanho de um cartão de visitas.

Felizmente, a Razer não mexeu com a tela LCD de 120 Hz ou com a grande bateria de 4.000 mAh que vinham no aparelho do ano passado, que foram recursos inovadores que tornaram a ideia de um telefone gamer tão intrigante em primeiro lugar. Agora, no entanto, a tela tem um brilho significativamente maior, com um suposto pico de 645 nits (contra apenas 350 nits no primeiro modelo), e um Gorilla Glass 5 na frente para trazer uma resistência maior. Aliás, o Razer Phone 2, como um todo, deve ser muito mais fácil de se conviver, com a adição do certificado IP67 de resistência à água.

Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Mas e os jogos, hein? Considerando-se tudo, a tela de 120 Hz ainda impressiona. Ela faz tudo parecer nítido, mesmo em jogos que são limitados a 60 quadros por segundo, como PUBG. E, em parte devido ao sucesso do dispositivo do ano passado, a Razer diz que ainda mais desenvolvedores de jogos estão buscando fazer parcerias e adicionar um suporte melhor a telas com taxas de atualizar maiores.

Junto com o app Chroma para controlar a iluminação do telefone, a Razer também criou o Cortex, um aplicativo que serve como um lugar para você ajustar os jogos em suas configurações preferidas e para descobrir novos jogos, com base no tipo de games que você já curte.

Os app Cortex permite que você ajuste coisas como velocidade de clock, resolução e anti-aliasing, entre outras coisas. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Além do Razer Phone 2, falando em hardwares, a Razer também está lançando um novo gamepad com um suporte embutido para segurar uma ampla gama de telefones, novos fones de ouvido USB-C com cancelamento de ruído e um carregador sem fio potente, de 15 watts, que também tem luzes RGB que automaticamente se sincronizam com o Razer Phone.

A grande desvantagem potencial disso tudo é que o Razer Phone 2 não é barato. Ele começa em US$ 800, no modelo de vidro na traseira visto acima, com 64 GB de armazenamento, ou em US$ 900 para o modelo com traseira de vidro fosco e 128 GB de armazenamento. A pré-venda nos Estados Unidos começa nesta quinta-feira (11), com as entregas previstas para o fim de outubro ou começo de novembro.

Imagem do topo: Sam Rutherford/Gizmodo

Sair da versão mobile