Nesta semana, em um simpósio da Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos, uma equipe de engenheiros do MIT vai apresentar uma ideia ousada: um reator nuclear flutuante, ancorado no mar, que seria imune a tsunamis e terremotos. Será que este plano é realmente tão maluco quanto parece?

Primeiro, eis o que eles estão propondo. Os professores Jacopo Buongiorno, Michael Golay e Neil Todreas, do MIT, são os autores de um artigo que descreve um reator enorme construído em um estaleiro, e então rebocado para o mar como uma plataforma de petróleo. A poucos quilômetros da costa, o reator seria ancorado em um único ponto, e sua energia seria levada para as cidades do litoral.

A Rússia já está construindo um reator flutuante, e essa ideia não é nova: usinas flutuantes foram pensadas já ​​no início dos anos 70. Mas Buongiorno aponta que há algumas diferenças importantes entre o plano russo e o do MIT – com “vantagens cruciais”, segundo ele. Em primeiro lugar, o design do MIT não é um navio que se move pelo mar, e sim uma plataforma ancorada: ou seja, um tsunami ou terremoto teoricamente nunca poderia afetá-la.

Segundo, e mais importante, a água fria do oceano – que cerca o reator – iria funcionar como uma fonte inesgotável de refrigeração para as hastes internas (que controlam a taxa de fissão do urânio e plutônio), garantindo que elas nunca superaqueçam.

“O oceano em si pode ser usado como um dissipador infinito de calor”, diz Buongiorno. “É possível fazer a refrigeração de forma passiva, sem nenhuma intervenção. A própria contenção do reator fica essencialmente debaixo d’água.”

floating nuclear reactors

Outra parte importante do projeto é como ele iria diminuir os riscos de desmantelar o reator em 50 anos: em vez de demolir a usina, ela seria rebocada “para uma central, como é feito hoje com reatores de porta-aviões e de submarinos da Marinha americana”. Se ocorrer uma fusão, a usina poderia “expelir gases radioativos na água”, ao invés de liberá-los na atmosfera e forçar milhões de pessoas a fugirem.

Mas liberar gases radioativos no oceano não seria igualmente terrível para o meio ambiente? Por que simplesmente não parar de construir usinas nucleares? Esta não é a questão que esses engenheiros se propuseram a responder. Trata-se de tornar as usinas mais seguras, caso essa seja a opção do país.

Bem, é difícil ignorar as enormes implicações morais desse detalhe em particular. Dada a escolha entre pulverizar seres humanos com radiação, e pulverizar o fundo do oceano, a maioria de nós provavelmente escolheria o último. É difícil argumentar contra isso, mas também é difícil apoiar esta ideia. [MIT]