Para os cidadãos do Reino Unido, ser vigiado é apenas um estilo de vida. Existe uma câmera de segurança para cada dez pessoas por lá. O que fazer quando você tem todas essas câmeras e quer mais? Faça-as voar, é claro.

• Empresa utiliza drones que ateiam fogo para limpar fios de alta tensão
• Funcionários da BMW trancaram remotamente um carro roubado com o ladrão lá dentro

A polícia de Devon & Cornwall está encabeçando uma nova unidade informalmente chamada de “esquadrão voador”. As autoridades estão buscando um diretor para liderar o programa. Haverá um teste de seis meses antes de se definir se os drones farão parte permanente da força tarefa. Este foi o comentário do inspetor Andy Hamilton quando a ideia surgiu no ano passado:

“Utilizar um drone para capturar fotos ou vídeos em terrenos difíceis e áreas de difícil acesso, como penhascos, florestas ou páramos, para encontrar uma pessoa desaparecida, combater crimes de incêndio florestal ou até mesmo um incidente com armas de fogo permitirá que os policiais obtenham informações vitais, rapidamente e de forma segura, e nos permitirá responder efetivamente na cena.”

A polícia de Devon & Cornwall patrulha uma área geográfica maior que qualquer outro departamento na Inglaterra, então pode ser que uma frota de drones faça bastante sentido para eles. E a ideia de dar aos drones algumas tarefas que geralmente são responsabilidade de helicópteros é bem razoável. Mas o estado de vigilância fora de controle no Reino Unido certamente faz as pessoas pensarem que as autoridades não sabem lidar com os dispositivos de uma forma razoável.

Tipicamente, os policiais agarram qualquer chance que têm para colocar as mãos em tudo o que conseguem. Mas, nesse caso, alguns estão preocupados que esse seja apenas o primeiro passo para um corte nos empregos. “Pode haver uma oportunidade, em algum momento, para racionalizar as tarefas que precisamos dos nossos policiais, pelo fato de termos encontrado drones que podem fazê-lo de forma mais eficaz”, comentou o chefe-assistente, Constable Steve Barry, ao Daily Mail. Mas ele alerta: “acho que será um oficial de alta patente corajoso que dará esse passo, para cortar empregos porque se tem drones”.

Outros departamentos estão considerando entrar na onda do reforço por drones também. Os testes do pessoal da Devon & Cornwall terá um grande papel nessa decisão. Barry considera que é algo inevitável. “Eu não ficaria nada surpreso se outras forças sigam os passos – a questão não é se, mas sim quando.”

Em 2015, o comissário de vigilância do Reino Unido, Tony Porter, expressou algumas preocupações sobre a disposição das pessoas para serem vigiadas. “Quando as pessoas dizem ‘o público adora câmeras de segurança’, elas realmente sabem o que elas fazem e qual é sua capacidade?”, questionou. “Eles sabem que, com o avanço da tecnologia e algoritmos, elas começam a prever o comportamento?” Naquela época, o uso de drones o incomodou um pouco. “Toda vez que um drone está operando com uma câmera de vigilância acoplado a ele, o risco de impacto de privacidade num espaço público aumenta exponencialmente.”

[The Telegraph via Business Insider, The Daily Mail]

Imagem do topo: Getty