Há algumas semanas eu testei o Roku Express, uma caixinha que leva os principais serviços de streaming direto para sua TV. Agora, chegou a vez de contar minha experiência com o Amazon Fire TV Stick Lite. Você pode ler meu review do Roku aqui, porque desde já quero deixar avisado que posso soar meio repetitivo nesta análise. Tem uma coisa e outra de diferente, mas, no geral, os dois acessórios são muito parecidos.

Esta também é a versão mais básica da caixa de streaming da Amazon. Portanto, não espere reproduzir conteúdos em 4K — a resolução máxima é Full HD. Ele também não tem uma lista tão completa de serviços, e o controle remoto poderia ser mais intuitivo. Contudo, o dispositivo é uma boa opção para quem tem um televisor comum e deseja usar recursos de Smart TV.

No Brasil, o Fire TV Stick Lite é vendido a R$ 349.

Amazon Fire TV Stick

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)O que é
A versão mais básica da caixa de streaming da Amazon, agora com HDR e botão de Alexa no controle remoto
Preço
Sugerido: R$ 349. No varejo, por volta de R$ 249 (período promocional)
Gostei
Instalação e configuração extremamente rápidas; botão dedicado à Alexa no controle; comandos de voz simplificam a experiência
Não gostei
Propaganda excessiva do Prime Video; controle remoto sem botões de volume e liga/desliga; resolução máxima em Full HD pode não agradar a todos

Primeiros passos

A primeira característica de destaque do Fire TV Stick Lite é a facilidade de instalação. Na caixa vem o stick que você pluga na entrada HDMI, um cabo extensor de HDMI (caso você não queira conectar o acessório direto na TV), um cabo USB e um adaptador de energia de 9 watts. Também inclui um controle remoto Bluetooth, que é alimentado por duas pilhas palito e tem suporte para comandos de voz via Alexa.

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)

Não tem segredo: depois de plugar o dispositivo na TV, é só selecionar a entrada HDMI e iniciar a configuração, que também é simples. Na real, achei todo o processo mais rápido e menos complicado do que no Roku Express, que tomou pouco mais de 10 minutos do meu tempo até que eu conseguisse usá-lo. A parte mais demorada é selecionar o que você já quer deixar pré-instalado, porém é possível pular toda essa etapa e configurá-la posteriormente.

O controle remoto é um pouco maior do que a geração anterior e conta com os botões básicos para comandar o Fire TV Stick Lite. A grande adição e o botão da Alexa, que enfim chegou ao acessório. Mas ok, é compreensível a demora porque até uns anos atrás as assistentes de voz não eram tão populares assim.

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)

As duas maiores ausências, e isso também está em falta no Roku Express, são os botões de volume e de liga/desliga. Além disso, nenhum dos dois controles permite ligar ou desligar a TV usando diretamente o controle, o que tira a praticidade que esses dispositivos deveriam oferecer. Essas opções estão no aplicativo de celular do Fire TV Stick Lite, mas obviamente seria mais fácil se elas estivessem no controle que acompanha o produto. E ah, o controle da Amazon não vem com botões de acesso rápido a alguns serviços de streaming; o da Roku, por sua vez, tem essa característica.

Usando o Fire TV Stick Lite

O stick da Amazon roda o Fire OS, mas pode-se dizer que o sistema compartilha a mesma interface do Prime Video. No topo da tela ficam as categorias principais (página inicial, ao vivo, filmes etc), além de uma aba para buscar por conteúdos. Abaixo, são exibidos os aplicativos abertos recentemente e os que foram baixados, e por fim os carrosséis de atrações que você pode assistir usando o Fire TV Stick Lite. Também é possível acessar um navegador de internet e alguns games para jogar pelo acessório.

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)

Por se tratar de um aparelho da Amazon, você pode esperar bastante promoção de conteúdos proprietários da empresa, ainda mais se você for assinante do Prime Video. A questão é que a caixa de streaming parece mais uma extensão do Prime Video do que um agregador de outras plataformas, pois em quase todas as janelas aparecem produções que você só encontra no serviço da companhia.

Falando nos serviços, o Fire TV Stick Lite traz uma gama considerável de plataformas compatíveis, entre elas Vivo Play, Apple TV, Netflix, Looke, Vivo Play, Telecine Play, YouTube e o recém lançado Disney+. Para músicas, há os apps do Spotify e Deezer. Contudo, não estão disponíveis o Globoplay e HBO GO.

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)

A navegação é fácil, e fica ainda melhor com o uso da Alexa. A assistente elimina a necessidade de digitar manualmente por conteúdos, uma vez que basta dizer um comando específico para que os resultados apareçam na tela. Aliás, a interface faz sugestões bem úteis do que você pode pesquisar usando o software de voz — por exemplo, “Alexa, pesquise por filmes de aventura”, ou “Alexa, abra vídeos da Lady Gaga no YouTube”. Vale lembrar que a Alexa também pode ser usada para perguntar a hora, saber como está a temperatura na sua cidade ou abrir uma playlist no Spotify.

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)

Mas, de novo, eu vou bater na tecla da quantidade excessiva de produções da Amazon em toda a interface do Fire TV Stick Lite, que tornou o uso um tanto sem graça. O Roku Express me pareceu mais simples e agradável porque mostra uma variedade de seriados e filmes disponíveis em várias plataformas, dando a opção de onde quero assisti-los. Só isso já seria suficiente para abrir mão da Alexa — eu prefiro uma lista mais personalizada das coisas que posso assistir.

Falando da performance, não passei por nenhum travamento durante o uso do Fire TV Stick Lite. Ele possui um processador quad-core de 1,7 GHz. Ele é 50% mais potente e usa 50% menos energia do que a segunda geração do Fire TV Stick, além de suportar conexões Wi-Fi nas bandas 2,4 GHz e 5 GHz. A memória interna é de 8 GB, porém pouco mais de 4 GB estão disponíveis para uso; o restante é só para armazenar o sistema operacional.

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)

Assim como o Roku Express, o Fire TV Stick Lite reproduz imagens com resolução máxima em Full HD (1080p), a 60 frames por segundo. Curiosamente, há suporte para HDR, mas eu não notei nada muito contrastado ou com cores mais brilhantes, mesmo tendo uma TV 4K com essa tecnologia. Então, se você preza pela maior qualidade possível, talvez seja melhor esperar até que a Amazon traga a versão 4K ao Brasil, ou procurar caixas de streaming de outras marcas. Caso o contrário, o acessório deve atender bem um público menos exigente.

Vale a pena?

O Amazon Fire TV Stick Lite é um dispositivo de entrada para quem quer levar alguns dos principais serviços de streaming para uma interface única no televisor. É exatamente o mesmo apelo do Roku Express: atender uma parcela de consumidores que não possuem uma Smart TV, que desejam funções desse tipo de aparelho, mas sem precisar gastar milhares de reais. Na televisão que fica na sala aqui de casa, que não é inteligente, deu super certo. Meu irmão mais novo, que é viciado em filmes, aprovou.

Amazon Fire TV Stick Lite Review. Imagem: Caio Carvalho (Gizmodo Brasil)

O que nem ele e eu gostamos é que não dá para ligar/desligar a TV ou aumentar o volume usando só o controle do Stick Lite, nem acessar rapidamente Netflix e outros serviços diretamente pelo mesmo controle. A interface é fluída e sem travamentos, mas se perde na quantidade de conteúdo próprio da Amazon. Eu gostaria de ter visto mais sugestões personalizadas do que assistir em várias plataformas, e não só o que está disponível no Prime Video.

Portanto, é aquela coisa: o Fire TV Stick Lite é uma boa caixa de streaming, principalmente se você não tem uma Smart TV ou se o seu televisor está sem receber atualizações– e desde que você saiba que só poderá usá-lo para o básico do básico.

Esta página contém links de afiliados. Ao comprar por elas, você não paga nada a mais e o Gizmodo Brasil pode ganhar uma comissão.