Fechado, ele poderia ser concorrente de Vaios e MacBooks. Aberto, ele entrega o formato mais trabalhador, fazendo jus à família. Feito para “pequenas e médias empresas”, o Vostro 3300, da Dell, no fim das contas, é um notebook para matar de vez a separação entre trabalho e uso pessoal. Não só por seu visual, que rouba alguns detalhes de seu parente descolado V13, mas pela escolha de uma ótima configuração, com direito a placa de vídeo dedicada. Mas como ninguém é perfeito, ele também tem seu calcanhar de Aquiles – a bateria de 4 células.

Antes de tudo, é necessário dizer que a Dell tem um sistema de configuração de todos os tipos em seu site. Para nosso teste, a máquina enviada é a mais poderosa à venda, que custa 3.298 reais. Mas em sua configuração inicial, que conta com Core i3, 3 GB de memória RAM no padrão DDR3 e HD de 250 GB com 7.200 rotações por minuto, ele sai por  1.979 reais. Nada mal pela configuração, mas também por seus detalhes decisivos.

Por fora, bela viola

O Vostro 3300 teve boas influências em sua construção. O V13, notebook da Dell também voltado para pequenas e médias empresas, é cheio de estilo, deixando o visual sóbrio de lado e aguçando o lado designer dos trabalhadores. Aqui, não há exageros, o que é encarado de forma positiva. O acabamento externo, em alumínio, mata qualquer visual empresarial. A construção é sólida e não passa a sensação de que ficará bamba em poucos meses. Ao abri-lo, o acabamento todo em preto entrega uma imagem mais sisuda. Mesmo assim, o teclado, já comum à linha Vostro, com teclas achatadas e bem espaçadas, é ótimo para digitação pelo tempo que for necessário, e há alguns truques interessantes, como a iluminação do teclado – que infelizmente só está disponível na versão mais cara do notebook. O touchpad tem boa sensibilidade e reconhece multitoque, mas mesmo assim, é fácil sentir saudade de um mouse.

Porém, o que mais agradou no visual do modelo foi a eliminação de qualquer indício de acabamento glossy. Eu sinceramente não entendo o vício das empresas em deixar seus aparelhos brilhantes – acredito que é pela facilidade em sair bem em fotos publicitárias – porque qualquer um que use um notebook com acabamento em glossy sabe que suas digitais ficarão eternamente marcadas. (E isso pode complicar sua vida com a justiça um dia. Vai saber, né.) Claro que a ausência do material é mais por uma questão de público-alvo, mas esse jeito todo antibrilho casa com a tela do aparelho.

Falando nela, a tela tem resolução padrão para notebooks de 13,3 polegadas – 1.366 por 768 pixels com proporção de 16×9 – e conta com retroiluminação de LED. Mas o grande truque aqui é a proteção antirreflexo. O resultado não poderia ser mais agradável: mesmo em locais com excesso de luz, a tela doVostro 3300 é nítida e clara em qualquer ação. Ou seja, dá para assistir um vídeo debaixo da árvore de um parque sem sofrimento – o único problema será encontrar uma tomada por perto.

Acima do teclado, uma linha de iluminação é o único detalhe que quebra o visual trabalhador. São botões padrões, de controle de volume e música, e mais seis na zona central. Os que eu mais usei, por serem de fácil identificação visual, foram os LEDs que indicam o uso de Wi-Fi, de Bluetooth e sinalizador de carga de bateria – algo que você vai precisar bastante. Na parte inferior direita há o identificador biométrico, que funciona direitinho. O detalhe estranho é a posição da única saída de áudio, que fica na frontal do lado direito. É verdade que o som não é fraco, mas em volume alto é fácil perceber que ele pende para o lado esquerdo. E apoiar a mão na parte esquerda do laptop abafa o som. É melhor confiar num bom fone de ouvido. Há ainda uma boa câmera de 2 megapixels, com ótima imagem e captação de áudio, ideal para videoconferências.

Em conexões, o Vostro 3300 não é dos mais empolgantes. São apenas três portas USB, sendo uma delas híbrida com a conexão eSATA, a única digna de nota. De resto, um conector VGA e uma porta Ethernet. Na parte frontal, do lado da solitária caixinha de som, ficam as conexões de microfone e fone de ouvido – boa posição para quem tem fios curtos – além de um slot para cartões SD e uma chave para ativar ou desativar a conexão Wi-Fi. Falando nele, a escolha pelo padrão N, e ainda o Bluetooth, são bem-vindos, mas não seria demais pedir uma saída HDMI, não é? O drive óptico lê e grava DVDs. Nós sabemos que a adição de um drive de Blu-ray encareceria muito o modelo, mas ela deveria ser pelo menos uma opção para quem tem interesse, mesmo que custasse os olhos da cara. Ninguém reclama por ter mais opções.

Por dentro… também

Se você gosta de números, o Vostro 3300 possivelmente fará escorrer uma lágrima de seu olho. A configuração é forte e atualizada, com processador Core i5 520M, de 2,4 Ghz, 6 GB de memória RAM no padrão DDR3, 500 GB de espaço interno e um placa de vídeo dedicada NVIDIA GeForce 310M, de 512 MB. Mesmo com alguns exageros – não conheço muitos trabalhadores que precisem de 6 GB de memória RAM – a configuração é equilibrada. A placa de vídeo é básica, mas segura as pontas na edição de imagem e em exibição de vídeos em HD. 

Por conta da configuração absurda testada, os números dos benchmarks sintéticos foram altíssimos, quase pornográficos em alguns casos – foram 6.376 pontos no PCMark Vantage e 4.166 pontos no GeekBench. Jogos como Call of Juarez rodaram com fluidez, sem socos. Obviamente, o uso cotidiano funciona perfeitamente, mesmo com dezenas de programas abertos – para se ter uma ideia, mesmo com três navegadores diferentes, iTunes, Photoshop e Office aberto, o notebook não esticou a língua. A Dell também ganha pontos por já colocar como padrão o Windows 7 Professional de 64 bits, que faz uso intenso dos 6 GB de memória.

Bateria, o pão bolorento

Viajemos no tempo, para daqui cinco meses. Você lê esse ótimo review, decide comprar o Vostro 3300 e se apaixona por ele, o trata com carinho, apresenta para os amigos. A relação é tão intrínseca que você decide levá-lo para uma viagem longa de trabalho. Sai de casa, compra seu café, chega ao aeroporto e liga o notebook. O embarque é em uma hora e, depois de alguns vídeos, músicas e troca de e-mails, a janelinha maldita surge: seu computador está com 10% de bateria. Para piorar a situação, imaginemos que você está indo para Dubai. Serão 15 horas solitárias, com a companhia apenas de amendoins, aeromoças e seu vizinho de poltrona. Seu laptop já está na UTI.

A bateria do Vostro 3300 tem 4 células. Traduzindo em tempo real, o notebook aguentou 1 hora e 56 minutos no teste do Battery Eater e 1 hora e 9 minutos em exibição de vídeo. No uso cotidiano, usando a internet, ouvindo música e abrindo o pacote Office, a bateria consegue durar menos de 2 horas. E isso é muito pouco. Ninguém quer ficar preso ao carregador e dependendo de uma tomada de duas em duas horas. O mínimo que eu espero de um notebook de 13,3 polegadas são três horas, e olhe lá.

E a parte mais triste é que a Dell não disponibiliza a venda de uma bateria extra. Nos EUA, o Vostro 3300 tem como opção uma bateria de 8 células inclusa no pacote, custando 99 dólares a mais. Vale repetir o discurso do drive de Blu-ray: mesmo que custasse caro, é preciso dar o máximo de opção ao usuário. E dada a duração da bateria de 4 células, acredito que muitos comprariam a bateria extra.

Resumo da ópera

Juntar o escritório e a casa em um só notebook não é tarefa fácil. Várias empresas, inclusive a Dell, tentam fazer isso acontecer de forma equilibrada há anos. Se quisermos ir muito longe, a Olivetti já tentava fazer isso com suas máquinas de escrever nos anos 80. Mas sempre há algo que pese um pouco mais na balança – seja o design muito descolado para o trabalho, ou a ausência completa de soluções para uso pessoal. O equilíbrio vai além, já que o preço não pode ser exorbitante; as empresas não são feitas só de CEOs e presidentes. Misturando tudo isso de forma equilibrada, a Dell conseguiu chegar perto do ideal no Vostro 3300. 

Apesar dos números tentadores, você dificilmente vai precisar da configuração que nós testamos para ser feliz. Se levarmos em consideração que a versão básica tem processador Core i3 de 2,26 Ghz e 3 GB de memória RAM por 1.979 reais, nós não temos medo de recomendar o Vostro 3300 para quem procura um notebook só que mescle o trabalho e a diversão. E isso, claro, não é só por seus componentes internos, mas também por seu design redondo, sem excessos para qualquer um dos lados, o bom teclado e a sensação de durabilidade.

O problema é que o único erro da Dell é gravíssimo: se alguém, nos idos anos 80, levasse sua máquina de escrever da Olivetti para o campo, era só estar munido de bons cartuchos de fita de tinta. Se alguém compra um notebook para fazer o trabalho de dois, tanto de noite como de dia, é óbvio que ele ficará ligado por muito tempo, seja durante o expediente, seja à noite para assistir vídeos ou navegar por aí. Sabendo disso, a empresa deveria oferecer outra opção de bateria, e não apenas a 4 células, com duração decepcionante. Opções de compra sempre foram o forte da Dell, mas aqui, deixar a bateria opcional de 8 células de fora é frustrante.

 Configuração monstruosa

 Design bonito e equilibrado

 Teclado confortável

 Conexões limitadas

 Bateria com duração baixíssima