A Adobe decretou ontem a morte do Flash Mobile. A RIM, fabricante do BlackBerry, tapou os ouvidos e decidiu licenciar o código-fonte do Flash, prometendo mantê-lo vivo no tablet PlayBook, segundo o AllThingsD. Sério, RIM?

No desktop, ainda há muita coisa boa que por enquanto só é possível com Flash. Mas com a sentença de morte ao Flash mobile, a Adobe admitiu que ele não merece mais existir em dispositivos móveis – neles, o HTML5 é simplesmente melhor. A Adobe, criadora dona de uma tecnologia lucrativa e popular, disse que a tecnologia lucrativa e popular deles acabou no mobile. Isso nem sempre acontece! Então a mensagem deveria estar clara: o Flash mobile chegou ao fim.

Aí chega a RIM, cujo tablet PlayBook ainda tem muitas funções faltando – ele só terá app de e-mail em 2012! – e interpreta a sentença de morte da Adobe de outra forma: se a Adobe diz que o Flash mobile morreu, vamos mantê-lo vivo! Só que o PlayBook já tem ótimo suporte a HTML5 e também a Adobe Air – ou seja, a apps em Flash. Então por quê continuar o Flash Mobile no navegador? Eis o que a RIM diz:

A RIM permanece comprometida em entregar uma experiência completa de navegação na Web a nossos consumidores, incluindo suporte nativo a Adobe Flash Player em nosso tablet BlackBerry PlayBook.

Essa é a mesma web sobre a qual a Adobe admitiu: “o HTML5 é a melhor solução para criar e fornecer conteúdo no navegador através de plataformas móveis”. Continuamos acreditando no que dissemos meses atrás: “as empresas de celular têm de boicotar esse câncer que é o Flash em dispositivos móveis”. Pena que a RIM pensa o contrário. [AllThingsD]