O presidente da RIM, Thorsten Heins, disse em entrevista ao jornal britânico Telegraph que a empresa planeja licenciar seu novo sistema operacional BB10 para outras fabricantes de hardware, quando ele for lançado. Mas quem iria licenciar?

Conversando com o Telegraph, Heins explica que criar celulares pode não ser o futuro da RIM. Em vez disso – ou além disso – eles forneceriam uma plataforma de software aos clientes que ainda a querem:

Não temos as economias de escala para competir contra empresas que lançam 60 celulares por ano. Nós temos que nos diferenciar, e temos uma plataforma focada. Para entregar o BB10, talvez precisemos considerar o licenciamento para alguém que consiga fazer isso a uma proposta de custo melhor do que eu. Há diferentes opções que estamos investigando no momento.

Poderia-se pensar em construir um sistema de referência, e então basicamente licenciar esse design de referência, e ter outros construindo o hardware para ele – seja um BlackBerry ou algo construído a partir da plataforma BlackBerry.

Bem, ele já pareceu meio iludido antes, mas pode haver algo de razoável nessa ideia. A RIM não funciona muito bem como está hoje, mas tem ativos valiosos que poderiam se tornar lucrativos caso a empresa se divida em pedaços. Licenciar o BB10 seria uma forma mais conservadora de se dividir, uma de várias ideias que Heins está considerando.

O licenciamento não seria gratuito, assim como o Windows Phone – que tem dificuldades em ganhar um espaço relevante no mercado. Será que fabricantes de hardware estariam dispostas a adotar o BB10? Algum consumidor estaria disposto a comprar um BlackBerry, por exemplo, da Sony ou da Samsung? Talvez essa não seja a melhor alternativa para a RIM, mas já que a empresa vem sangrando dinheiro e perdendo relevância, ela precisa fazer alguma coisa. [Telegraph]